Política Nacional /

Segunda-feira, 21 de Outubro de 2019, 01h:30

A | A | A

Deltan tem até esta segunda para decidir se tenta cargo de procurador regional

arrow-options Fernando Frazão / Agência Brasil Deltan Dallagnol pode tentar vaga de procurador da República Em meio a especulações de que poderia...


Imagem de Capa
Deltan Dallagnol arrow-options
Fernando Frazão / Agência Brasil
Deltan Dallagnol pode tentar vaga de procurador da República


Em meio a especulações de que poderia deixar a coordenação da força-tarefa da Lava-Jato em Curitiba, o procurador Deltan Dallagnol tem até hoje para decidir se irá concorrer a uma vaga de procurador regional da República. Com a promoção, Deltan deixaria a operação e passaria a atuar em casos de segunda instância. Caso não apresente uma objeção ao posto, ele poderá ocupar uma vaga em Brasília ou Porto Alegre.

Leia também: Governo Bolsonaro extinguiu comitês do plano de ação de incidentes com óleo

 A promoção é vista como uma saída honrosa para Deltan , afetado pela divulgação de mensagens trocadas em um aplicativo após a invasão do hacker Walter Delgatti Neto.Os envolvidos não confirmam a autenticidade dos diálogos. Procuradores próximos a Deltan acreditam que sua promoção reduziria a pressão. O procurador resiste à ideia e acredita que as mensagens reveladas não afetam o seu trabalho à frente da operação.

Procurador da República desde 2003, ele está no grupo dos mais antigos na carreira, aptos à promoção por merecimento.

Deltan já deu sinais aos colegas que prefere continuar no posto em Curitiba, mas ainda não decidiu. O Ministério Público Federal, questionado pelo GLOBO, afirmou que o procurador não se manifestaria sobre o tema.

Na carreira do MP, é necessário que o procurador encaminhe uma manifestação de recusa ao posto escrita ao Conselho Superior do Ministério Público Federal (CSMPF), cinco dias úteis após o edital ser publicado, o que ocorreu no último dia 14. “Os membros que não recusarem expressamente estarão automaticamente concorrendo à promoção”, informa o documento.

O CSMPF é presidido pelo procurador-geral da República, Augusto Aras. Recentemente, ele criticou o que classificou de “personalismo” na atuação de procuradores, citando o exemplo da operação Lava Jato.

0 Comentário(s)
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!
Edição impressa
imagem
os maiores eventos e coberturas
Você é a favor ou contra a privatização da MT 130 sentido Paranatinga?
A favor
Contra
Tanto faz