Internacional /

Quinta-feira, 06 de Dezembro de 2018, 06h:35

A | A | A

Terra plana e as fake news científicas

Reprodução/Shutterstock Modelo de como seria uma Terra plana no espaço. Quem nunca ouviu falar da Terra Plana ? Aquela ideia conspiratória de...


Imagem de Capa
Modelo de como seria uma Terra plana no espaço.
Reprodução/Shutterstock
Modelo de como seria uma Terra plana no espaço.


Quem nunca ouviu falar da Terra Plana ? Aquela ideia conspiratória de que o planeta Terra não seria uma esfera ou um globo, mas sim plana como uma panqueca, cercada por todos os lados por uma parede de gelo. Em tempos de definição de ministérios, a terra plana foi um tema recorrente entre amantes da astronomia como um exemplo do que evitar na defesa da educação e da ciência no país.

Pode parecer uma brincadeira (de mau gosto, ainda por cima), mas ideias como a Terra Plana representam uma séria ameaça ao desenvolvimento científico e tecnológico. Pesquisadores e divulgadores de todo o mundo debatem o problema, assim como as soluções e as possíveis implicações do crescimento das fake news científicas.

O que é importante para ser um cientista?


Como debater (combater?) a Terra Plana?

Antes de mais nada, é importante entender que fenômenos como o “terraplanismo” existem associados a outros tipos de viés ideológico. A crença na terra plana não representa a falta de acesso à informação; muito pelo contrário, um estudo recente liderado por Caitlin Drummond, da Universidade Carnegie Mellon nos Estados Unidos, mostrou que a crença em tópicos científicos considerados polêmicos era fortemente dependente do viés ideológico de cada um. Por exemplo, para indivíduos conservadores, quanto maior a sua escolaridade, mais resistiam às teorias do Big Bang e da Evolução.

É interessante notar que outra pesquisa da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência mostrou, em 2015, que os brasileiros acreditam mais em cientistas do que médicos — ou que políticos, o que não é surpreendente. Mas com o crescimento da crença em pseudociência ainda parece haver espaço para o negacionismo científico.

O negacionismo pode ser tóxico. Ao contrário de crenças religiosas, por exemplo, terraplanistas contestam diretamente o discurso de cientistas, afirmando que “a NASA mente”. Acredito que a NASA é a escolhida devido ao seu status popular, tendo em vista que todos os cientistas no planeta afirmam o mesmo.

No final, devido ao viés ideológico, é impossível discutir evidências. Qualquer prova em contrário do modelo pseudocientífico será tomada como uma mentira, e no final o diálogo só serve para legitimar o debate como se fosse algo científico.

Não, o importante é educar a população sobre como funciona o método científico. O grande poder da ciência é o de prever fenômenos no futuro, a partir do estudo e compreensão da natureza.

Quer um exemplo? Eclipses. Em 2017, milhões de norte-americanos se reuniram para observar o eclipse total do Sol. Sabíamos o minuto exato em que o eclipse aconteceria em cada cidade nos Estados Unidos, porque entendemos o movimento dos corpos celestes e podemos prever tais acontecimentos.

Conheça outros mitos astronômicos


A valorização da ciência

O grande dano que ideias como a Terra Plana podem causar é o de afastar a população da ciência. A ciência oferece um pensamento crítico sobre o mundo ao nosso redor, e promover a ciência significa fornecer à sociedade as ferramentas para tomar decisões fundamentadas.

E se você ainda acha que isso não tem tanta importância, e que a Terra Plana é um problema inocente, tome então como exemplo os movimentos anti-vacinação e os recentes surtos de sarampo nos Estados Unidos. Ou até mesmo as políticas públicas internacionais de combate ao aquecimento global.

As evidências científicas estão aí, e é fundamental que pesquisadores e sociedade trabalhem em conjunto por um futuro melhor.

Leia mais sobre a última missão da NASA

0 Comentário(s)
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!
Edição impressa
imagem
os maiores eventos e coberturas

26/06 - Em cerimônia pontuada por bom gosto e emoção na Igreja Matriz, Thayara Rodrigues & Duan Pilonetto receberam a bênção matrimonial no último sábado, 22. Impecavelmente vestida pelo estilista mais famoso do Brasil, Lucas Anderi, a noiva emocionou os convidados logo antes da sua entrada com depoimento para o noivo. Já ele usava um terno Camargo, sendo que o estilista fez questão de colocá-lo em suas redes sociais. Com um flashmob feito pela Musique Casamentos, cantores e violinos surgiam entre os convidados enquanto as alianças eram conduzidas pela avó da noiva ao altar. Queima de fogos iluminaram a noite ao final da cerimônia religiosa. O salão do Centro de Eventos Primacredi foi transformado com suntuosa decoração por Anna Carolina para receber o em torno de 500 convidados para a celebração da boda. O buffet sempre agradável de Dulce Aguiar, (Roo) servia de volantes como as panelinhas quentes até um buffet de comida japonesa requintado, na ímpar noite que foi adoçada pelas receitas de Claudete Zandoná. A animação da festa ficou a cargo da Banda Bis de Cuiabá, além do receptivo da Musique com apresentação do Brass Live durante a festa que foi até as 6 da manhã. Um dos pontos altos da noite foi a surpresa feita pelos padrinhos que interromperam o final da apresentação dos noivos, surpreendendo com todas as músicas que os recém casados gostam e fazendo a festa já pegar fogo, mais uma das brilhantes ideias do Cerimonial Fabiano Fernandez que produziu e atendeu todo o evento com a mesma maestria de sempre, já conhecida e aprovada. Confira mais flashes by Marcello Holanda . Fotos oficiais Fares Rames.

Você é a favor ou contra a revitalização das Avenidas de Primavera?
A favor.
Contra.
Não tenho opinião formada sobre o assunto.