EDUCAÇÃO /

Quarta-feira, 14 de Agosto de 2019, 07h:00

A | A | A

Após 75 dias de paralisação, escolas retornam às atividades hoje (14)

Os profissionais da educação haviam paralisado as atividades no dia 27 de maio


Imagem de Capa
Pérsio Souza

Após 75 dias de paralisação, os profissionais da educação devem voltar para as unidades escolares hoje (14). Durante a greve em Primavera do Leste, das 11 escolas geridas pelo Estado, três permaneceram paralisadas, quatro funcionavam parcialmente e as demais, que estão localizadas na área rural não pararam as atividades. Somente a João Ribeiro Vilela está programada para reiniciar as atividades na quinta-feira (15). Segundo o Governo do Estado, serão repostos 42 dias letivos.

Os profissionais da educação haviam paralisado as atividades no dia 27 de maio. Neste período de dois meses e meio, a categoria, representada pelo Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público de Mato Grosso (Sintep-MT) realizou diversas reuniões com o governo Mauro Mendes, no intuito de acabar com a paralisação, desde que os profissionais da educação tivessem os direitos cumpridos.

A categoria acatou parcialmente a proposta feita pelo governo estadual, que propôs estabelecer uma regra clara quanto ao pagamento de RGA, a partir do ano que vem. No entanto, eles querem garantia de que a lei não será questionada judicialmente após voltarem ao trabalho.

A proposta do Governo do Estado para encerrar a greve foi feita na segunda-feira (05) e contemplou não apenas os profissionais lotados na Secretaria de Estado de Educação (Seduc), mas todos os servidores públicos estaduais, com o objetivo de assegurar a Revisão Geral Anual (RGA) e os demais aumentos previstos em lei.

Na proposição apresentada, assim que o Estado voltar aos limites da LRF, todo o espaço fiscal aberto abaixo de 49% da Receita Corrente Líquida (RCL) será usado para a concessão da RGA e dos aumentos remuneratórios aos servidores.

Deste espaço fiscal, 75% será destinado à RGA para todos os servidores públicos e os 25% restantes para os reajustes já concedidos nas leis de carreira – que beneficiariam os profissionais da Educação, Meio Ambiente e Fazenda.

Somente na sexta-feira (09), quando o Sintep-MT se reuniu, decidiram por aceitar a proposta e suspender a greve. Apesar da suspensão, os professores continuam em estado de greve e podem paralisar as atividades a qualquer momento.

“A greve está suspensa, mas não quer dizer que a luta terminou aqui no Estado de Mato Grosso, mesmo porque o ponto principal da Lei 510, não houve um posicionamento efetivo do Governo do Estado. A categoria reafirma que caso o Governo não integralize ou apresente uma proposta até a próxima data base do ano de 2020, nós poderemos ter uma nova greve”, destacou o presidente do Sintep, Valdeir Pereira.

O Sintep apresentou 13 pontos de reivindicação ao Governo do Estado, entre os principais estão a RGA; assegurar a Lei 510 (aprovada desde 2013 e elevar o salário dos professores da rede estadual); apresentar plano de reforma das instituições de ensino; e posse dos aprovados em concurso.

 

REPOSIÇÃO DE AULAS

A Secretaria de Estado de Educação (Seduc) encaminhará, ainda nesta semana, às escolas estaduais que estavam paralisadas, documento orientativo e uma minuta com sugestão de calendário para a reposição das aulas.

Conforme a secretária de Estado de Educação, Marioneide Kliemaschewsk, a elaboração do calendário de reposição ocorrerá pelas próprias escolas, juntamente com os Conselhos Deliberativos da Comunidade Escolar (CDCE), que passarão a minuta desse calendário às assessorias pedagógicas para validação e homologação da Secretaria de Estado de Educação.

O calendário para reposição é de 42 dias letivos. Dos 75 dias de paralisação, 33 são de sábados, domingos e feriados, o que não conta como dia letivo.

Conforme a sugestão da Seduc para as escolas que aderiram à greve, as aulas deveriam ser retomadas na segunda-feira (12) ou na quarta-feira (14) e o ano letivo de 2019 será finalizado por volta de 15 de fevereiro de 2020. Logo após essa data, haverá um período de férias de 30 dias. O ano letivo de 2020 para essas escolas começará na segunda quinzena de março.

 

PAGAMENTOS DOS SALÁRIOS

Quanto aos salários dos servidores que tiveram o ponto cortado, o Governo do Estado fará o pagamento dos dias de reposição referente aos meses de maio e de junho em uma folha complementar no dia 20 de agosto. Os salários dos meses de julho e agosto serão acrescentados na folha de agosto, que será paga no dia 10 de setembro.   

0 Comentário(s)
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!
Edição impressa
imagem
os maiores eventos e coberturas
Você é a favor ou contra a privatização da MT 130 sentido Paranatinga?
A favor
Contra
Tanto faz