SEGURANÇA PÚBLICA /

Sexta-feira, 08 de Novembro de 2019, 18h:42

A | A | A

Sistema de segurança colaborativo já funciona em Primavera do Leste

Das mais de 50 câmeras instaladas na cidade, 24 são de propriedade do município e as demais são de moradores


Imagem de Capa
Jaqueline Hatamoto

Mais de 50 câmeras de monitoramento ajudam a garantir a sensação de segurança entre os moradores de Primavera do Leste. A Central de Monitoramento instalada na cidade no ano de 2013, passou por modernização e hoje, além de contar com câmeras próprias, desenvolve a chamada “Segurança Colaborativa”, em que imagens de câmeras particulares são cedidas a custo zero para a unidade que consegue monitorar diversos bairros do município.

A preocupação da população, somada ao projeto que tem como base iniciativas assertivas desenvolvidas em cidades referência em segurança como São Paulo e Londres, traz o conceito da criação de uma “muralha digital” com câmeras de monitoramento instaladas em pontos estratégicos da cidade.

“O poder público tinha desejo de ter um monitoramento mais eficiente no município. Então nós fomos buscar o que havia de mais moderno e chegamos até este projeto que é modelo de segurança em Londres e São Paulo. Nestas cidades todas as câmeras são em sistema colaborativo, em que as imagens são doadas à prefeitura. Achamos excelente e trouxemos a ideia para a cidade. Um empresário abraçou o projeto que já funciona em Primavera do Leste”, explicou o coordenador de Monitoramento Urbano, coronel Roberson Pereira.

O coordenador explica que quando assumiu a central, há aproximadamente um ano, se deparou com a estrutura funcionando de forma precária e foi preciso fazer reestruturação e uma nova licitação para que as necessidades fossem supridas de forma imediata. “Há um havia apenas 11 câmeras em funcionamento, todas elas via rádio, um sistema bastante precário e caro. A empresa que cuidava disso era de Cuiabá, então quando ocorria um problema - e o rádio é muito fácil de acontecer um problema-, eles tinham que vir da capital para fazer a manutenção, o que levava dias e saía muito caro para o município. Para nossa alegria, uma empresa da cidade ganhou a licitação e todo o sistema foi transferido para fibra ótica e assim, ganhamos mais agilidade e melhoramos nosso tempo resposta”, frisou.

Das mais de 50 câmeras instaladas na cidade, 24 são de propriedade do município e as demais fazem parte do programa chamado “Segurança Colaborativa”, em que imagens de câmeras “privadas” também são enviadas para a central de monitoramento, garantindo assim mais segurança aos moradores. “São câmeras de imagens públicas. O custo para o cidadão é baixo e uma única câmera pode vigiar de três a cinco casas. O sistema é muito eficiente e envia as imagens para Central de Monitoramento que pode consultá-la sempre que achar necessário”, explicou o coronel Roberson.

O sistema ainda permite que o morador monitore via aplicativo como está a rua de sua casa, antes de entrar ou sair. Em caso de necessidade pode acionar o botão do pânico, que o sinal é emitido direto na Central de Monitoramento.  “É possível ver ao vivo o que está acontecendo, em caso de alguma situação inusitada, através do aplicativo pode solicitar ajuda da Central de Monitoramento, que já passa a informação para a Polícia Militar. O tempo resposta desta ocorrência diminui muito. É como se fosse o olho do policial em todo momento. Costumo dizer que são os olhos da segurança pública passando no bairro sem precisar gastar combustível e encher  a cidade de viatura”, expôs o coronel.

Um projeto piloto já instalado no Jardim Luciana, bairro que antes sofria com a ação constante de bandidos. A partir da instalação das câmeras e o compartilhamento das imagens, os moradores do bairro viram os índices de furto baixar chegando a praticamente zero.

O aumento na quantidade de câmeras interligadas a central, associado ao policiamento ostensivo, tem contribuído também para a redução de roubos e furtos em toda a cidade.  “Os números são bem favoráveis se levar em consideração o que era, todos os índices estão diminuindo. Claro que isso não é só o monitoramento, mas este procedimento também tem sua parcela. São investimentos que vem sendo feitos. Tudo isso ajuda no trabalho da polícia e garante ao cidadão uma sensação de segurança”, ressaltou o coordenador da central de monitoramento Roberson Pereira.

 

PRIMAVERA 100% MONITORADA

De acordo com o coordenador de monitoramento urbano, está muito próximo de Primavera do Leste ser 100% monitorada, para isso basta que a população faça a sua parte e contribua.

“É possível criar uma rede de segurança que pode mudar a história de Primavera. É claro que depende de a população ter o interesse em ajudar e contribuir. E adotar o sistema”, ressaltou.

Para ter mais informações sobre o sistema de “Segurança Colaborativa”, o interessado deve se dirigir a Central de Monitoramento que fica na Rua Maringá, 301, no centro da cidade de Primavera do Leste.

 

AVANÇOS NA CAPTAÇÃO DE IMAGEM

Além de serem mecanismos eficazes na diminuição dos índices de violência no município, as imagens captadas podem ser solicitadas em qualquer momento para auxiliar nas investigações policiais e também como subsídio para compor inquéritos criminais e outros procedimentos jurídicos, e também ajudar a localizar veículos furtados e roubados e em futuro muito próximo, através do reconhecimento facial, identificar onde está uma pessoa procurada pela Justiça.

Já há na cidade de Primavera do Leste uma câmera de identificação de caracteres em pleno funcionamento. Dados de veículos roubados e furtados são cadastrados e assim que um destes veículos passam pela câmera, o equipamento faz leitura e envia um sinal para central, que informa a polícia. “O equipamento está funcionando muito bem. Esses dias foi recuperada uma caminhonete que havia sido furtada em Cuiabá”, exemplificou Roberson.

O coordenador ressaltou ainda que a ideia é que o sistema de monitoramento da cidade evolua cada vez mais. “Objetivo é que se evolua ainda mais. Já estamos pensando em colocar uma câmera de reconhecimento facial, onde se pode criar um banco de dados através de arquivos da Polícia Militar e Polícia Civil e saber onde o procurado está passando naquele momento”.

0 Comentário(s)
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!
Edição impressa
imagem
os maiores eventos e coberturas
Você é a favor ou contra a privatização da MT 130 sentido Paranatinga?
A favor
Contra
Tanto faz