propaganda

DESENVOLVIMENTO /

Sexta-feira, 17 de Janeiro de 2020, 16h:23

A | A | A

Obra entre Primavera III e Tuiuiú deve ser realizada em 4 etapas

Entre os processos estão Serviços Preliminares, Terraplanagem, Pavimentação, Drenagem e Serviços Complementares


Imagem de Capa
Pérsio Souza

120 dias. Esse é o prazo que JB Construtora Eirelli terá para concluir a pavimentação da estrada que liga o Primavera III ao Tuiuiú. O processo, conforme o cronograma, será dividido em cinco serviços e a cada 30 dias a empresa deve entregar porcentagens conclusas dos procedimentos, entre eles: Serviços Preliminares, Terraplanagem, Pavimentação, Drenagem e Serviços Complementares. O tempo de obra pode ser prorrogado pelo Executivo, caso necessário. O valor do investimento é de R$ 5.991.244,90.

De acordo com informação anunciada pela Prefeitura de Primavera do Leste, a ordem de serviço da obra deve ser entregue em breve à empresa e partir daí começa a contar o prazo.

A JB Construtora Eirelli deverá realizar a pavimentação asfáltica, drenagem, meio fio, sarjetas, sinalização da Avenida Eldevir Viécilli e drenagem no bairro Tuiuiu, com fornecimento de materiais, mão de obra, ferramentas, máquinas e equipamentos necessários e adequados para que todos os serviços sejam desenvolvidos com segurança e qualidade.

O asfaltamento do trecho de aproximadamente cinco quilômetros, que liga o Tuiuiú ao Primavera III, é aguardado por pelo menos 20 anos pelos moradores, que constantemente reclamam da poeira em época de seca e da lama em época de chuva.

No cronograma de serviços, dividido com os prazos a serem cumpridos em 30, 60, 90 e 120 dias, estima-se que sejam concluídos por etapa:

30 dias –

Instalação de canteiro: 100%;

Terraplanagem: 30%;

Tubulação de drenagem urbana: 30%;

60 dias -

Terraplanagem: 40%;

Pavimentação: 35%;

Tubulação de drenagem urbana: 40%;

Carga, manobras e descarga de materiais diversos: 40%;

90 dias –

Terraplanagem: 30%;

Pavimentação: 40%;

Tubulação de drenagem urbana: 20%;

Carga, manobras e descarga de materiais diversos: 40%;

Sinalização: 10%;

Guias e sarjetas: 40%;

 120 dias –

Pavimentação: 25%;

Tubulação de drenagem urbana: 10%;

Carga, manobras e descarga de materiais diversos: 20%;

Sinalização: 90%;

Guias e sarjetas: 60%.

Durante o período em que a estrada ficar interditada para a pavimentação, os motoristas que trafegam por essa via terão como opção a Avenida Belvedere (Avenida das Torres), aberta entre o Sindicato Rural e os Bairros Buritis.

PAGAMENTOS SERÃO LIBERADOS CONFORME ETAPAS CONCLUÍDAS

Por ser uma obra com recursos próprios, em outro momento, o prefeito Leonardo Bortolin afirmou que desta forma é possível haver mais agilidade no processo. “Pelo fato de ser uma obra com recursos próprios, podemos garantir a agilidade na entrega, pois, diferente de obras que são feitas com recursos federais, por exemplo - onde se tem certa demora para fazer os repasses, impedindo o desenvolvimento dos trabalhos das empreiteiras - dessa vez a construtora trabalhará de forma fiel aos prazos, já que a verba está garantida na conta da prefeitura”, explicou.

Além da questão dos recursos próprios darem agilidade, outro fator que influencia é que a empresa JB Construtora Eirelli é de Primavera do Leste, o que facilita o andamento dos procedimentos. O prazo é para que a obra seja entregue pronta ainda este ano.

O valor da obra foi estimado em R$ 5.991.244,90 e o pagamento será efetuado conforme o Cronograma Físico-Financeiro, no qual são quitados os valores de acordo com as etapas concluídas citadas no texto anterior. A Prefeitura tem o prazo de 30 dias, contados da apresentação da Nota Fiscal/Fatura.

O pagamento somente será efetuado após ser aprovado pelo servidor competente da Nota Fiscal/Fatura apresentada pela empresa. Entre os responsáveis, conforme edital, estão:

Fiscal de Obras: Gabriel Alexandre dos Santos – Engenheiro Civil;

Fiscal do Contrato: Edson Mácrio da Silva Xavier;

Suplente do Fiscal: Elizete Rodrigues Nascimento.

Todo o processo para que fosse lançado o edital da pavimentação da via se iniciou em 2018, no entanto, somente em dezembro que foi anunciada a empresa vencedora.

Primeiro foi necessário fazer desapropriação de duas áreas que somam 9,11 hectares, desmembrados da Fazenda Tupã I. Posteriormente, quando o projeto estava pronto, foi necessário fazer a ampliação, pois o documento original não previa a implantação de drenagem no bairro Tuiuiú.

O projeto de asfaltamento precisou ser refeito parcialmente pela Associação Mato-grossense dos Municípios (AMM), devido a causa risco de alagamentos, sendo necessário no novo projeto incluir a drenagem pluvial do bairro Tuiuiú, o que atrasou mais o início das obras.

Quando finalmente foi aberto o processo de licitação, houveram questionamentos e impugnações por parte de algumas empresas, o que atrasou ainda mais. Ao todo 12 construtoras demonstraram interesse.

 

 

0 Comentário(s)
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!
Edição impressa
imagem
os maiores eventos e coberturas
Você é a favor ou contra a privatização da MT 130 sentido Paranatinga?
A favor
Contra
Tanto faz