RETROSPECTIVA /

Terça-feira, 31 de Dezembro de 2019, 07h:00

A | A | A

Primavera deve ficar sem drenagem e vias continuarão a alagar

Poder Executivo suspendeu procedimento devido à reclamações


Imagem de Capa
Da Redação

No início deste ano, O Diário publicou uma matéria em relação à drenagem pluvial que seria implantada no município e assim como a população, acreditou que os problemas relacionados a alagamentos iriam terminar, porém, por uma decisão do Poder Executivo, em paralisar as obras devido à quantidade de reclamações por parte da população, este problema aparenta estar longe de ter fim.

As obras se iniciaram pela Avenida Campo Grande, em período de chuva, e gerou várias reclamações em 2018. Na época, o período chuvoso se antecipou e em apenas 10 dias foram registrados mais de 400mm de precipitação. O Poder Executivo decretou situação de emergência e disse que os problemas seriam resolvidos no ano seguinte.

O tempo se passou e os alagamentos prosseguem até os dias de hoje. As obras de drenagem que seriam realizadas em Primavera do Leste iriam custar aproximadamente R$ 2,5 milhões, dinheiro este que já estava empenhado. Os recursos para pagamento da obra vieram do governo federal.

O procedimento paralisou em novembro de 2018, quando se iniciou o período de chuva no município. Na época, em contato com a Prefeitura, através da Assessoria de Imprensa, fomos informados que: “A Prefeitura de Primavera do Leste informa que as obras de drenagem pluvial estão suspensas na região central devido a constantes reclamações dos moradores que se mostraram, em sua maioria, insatisfeitos com os transtornos ocasionados pela instalação das manilhas”.

Quando os serviços paralisaram haviam 36,59% da obra, que tem 8 mil metros, já concluídos. De acordo com o Portal da Transparência, a empresa recebeu pelo serviço pouco mais de R$ 942 mil, referentes aos serviços de construção de asfaltos, meios-fios, galerias e sarjetas.

No Portal da Transparência também consta a informação que em 31 de dezembro de 2018, houve a anulação de empenho no valor de R$ 1.486.683,21 (um milhão, quatrocentos e oitenta e seis mil, seiscentos e oitenta e três reais com vinte e um centavos).

Em relação ao valor que ultrapassa R$ 1,4 mi, a Prefeitura informou que os recursos conquistados para essa obra podem ser utilizados em outro lugar, já que não são carimbadas - quando o recurso não tem um direcionamento específico.

Na época em que falamos com a empresa que venceu a licitação, a Precon, fomos informados que aguardavam apenas a autorização da Prefeitura para dar seguimento aos serviços.

Em relação ao valor que ultrapassa R$ 1,4 mi, a Prefeitura informou que os recursos conquistados para essa obra podem ser utilizados em outro lugar, já que não são carimbadas - quando o recurso não tem um direcionamento específico.

 

EMPRESÁRIOS E MORADORES AINDA TÊM PREJUÍZOS

As chuvas deste ano não foram diferentes de 2018, elas demoraram um pouco, mas vieram com força. Os principais registros de prejuízos foram registrados no bairro Pioneiro, em que uma loja de material de construção, a Construmota, ficou completamente alagada. Uma casa na Avenida Cuiabá também foi invadida pela água e um veículo ficou preso embaixo do viaduto da MT 130. A ponte que dá acesso ao Vale Verde, que já estava interditada, terminou de cair, deixando os moradores completamente sem acesso.

“Faz dois anos que prometeram cortar a BR e resolver, até hoje nada. Tem solução é só ter atitude”, disse Carlos Motta, proprietário da loja que foi alagada.

O empresário complementou ainda “Para começar, essa e outras dezenas de empresas estão em Primavera há décadas, sem incentivos, só na coragem. Aí vem empresas para Primavera, porque nós fizemos essa cidade ser viável.  Aí tem politiqueiros que querem virar estrelas dizendo que trouxeram empresas para Primavera, essa empresa só vem para Primavera porque nós, os pioneiros fizemos acontecer e aí acabamos sendo reféns dessas políticas”, ressaltou o mesmo empresário.

 

PONTE DE MADEIRA SERÁ SUBSTÍTUIDA POR DE CONCRETO

A ponte que dá acesso à região do Vale Verde e que caiu devido às fortes chuvas, será substituída por uma ponte de concreto. O anúncio foi feito pelos prefeitos de Primavera do Leste e Poxoréu poucos dias depois da chuva levar a de madeira. A substituição será possível através de doação de vigas de concreto.

A ponte já passou por quatro reformas e a menos de 30 dias, a prefeitura de Primavera do Leste havia realizado a manutenção da cabeceira da ponte. Para evitar que novamente ela apresente problemas, o prefeito Leonardo Bortolin anunciou que a prefeitura de Primavera fará a doação de vigas de concreto para a prefeitura de Poxoréu.

 

SOS BUEIROS

Com obras de drenagem suspensas, a única alternativa que o morador de Primavera do Leste tem é de ligar para o “SOS Bueiros”, programa criado pela administração pública, para que caso o morador veja algum bueiro entupido, ligue para o número (66) 99965 3989 e solicite a limpeza imediata. Durante este período chuvoso, o serviço funcionará 24h.

0 Comentário(s)
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!
Edição impressa
imagem
os maiores eventos e coberturas
Você é a favor ou contra a privatização da MT 130 sentido Paranatinga?
A favor
Contra
Tanto faz