REFLEXÃO /

Segunda-feira, 11 de Novembro de 2019, 07h:00

A | A | A

Educar é humanizar

Ensinar requer ainda dinamicidade, tanto pelo aspecto lúdico: de diversão e prazer, quanto pelo aspecto da aprendizagem em si, com enfoque à ética


Imagem de Capa
Ernesto de Sousa Ferraz Neto

O processo de ensino deve ser feito na forma mais prazerosa possível, já que aprender, nem sempre é visto desta forma para algumas pessoas, porém, para se executar o ofício de educador muitas vezes requer perseverança e domínio de conteúdos, e, sobretudo, a afetividade. “(...) o ato de educar só se dá com afeto, só se completa com amor”. (MIGUEL CHALITA, 2004, p. 11).

No entanto, é importante deixar os alunos mais a vontade para que possam interagir e assimilar melhor os conteúdos propostos durante todo o processo de aprendizagem na execução das atividades apresentadas em sala de aula.

Ensinar requer ainda dinamicidade, tanto pelo aspecto lúdico: de diversão e prazer, quanto pelo aspecto da aprendizagem em si, com enfoque à ética.

Muitas vezes brincando, se desenvolve várias capacidades que refletem sobre a realidade, a cultura na qual esteja inserido o aluno/cidadão, incorporando e, ao mesmo tempo, questionando as regras e papéis sociais. Pode-se dizer que nas brincadeiras ultrapassa-se a realidade, transformando-a através da imaginação, mas nunca deixar de aplicar a disciplina como mediador entre estas duas modalidades de ensino.  E por serem ambas dinâmicas, pois “… trata de uma forma de ensinar a aprender…”. (PAULO FREIRE, 1996: 26).

Daí a sugestão de métodos que possam contribuir para o desempenho do mestre, enquanto na execução desse ofício, usando recursos metodológicos diferenciados em salas de aula, como o afeto e a ética, a título de exemplificação.

No entanto, se o educador não interage com os alunos, tratando-os com respeito e hombridade terá mais dificuldade em alcançar seus objetivos, uma vez que os alunos poderão também, por sua vez, apresentar resistência em não aceitar ou até mesmo não deixar que o professor possa realizar sua função a contento. Afinal, é o educador quem possibilitará a construção do conhecimento, agindo como porta voz do saber e para que isto aconteça faz-se necessário explorar o lado efetivo e emocional do aluno.

Todo conhecimento requer planejamentos sistematizados e/ou projetos para assegurar a sobrevivência de sonhos e promover a construção de conhecimentos vinculados ao prazer de viver e aprender de uma forma natural e agradável, e quando possível, funcionarem como exercícios necessários e úteis à vida. 

É importante frisar que a realização desses projetos ou planejamentos seja feita com antecedência, bem como a sua organização e de todo o material a ser utilizado com os alunos, independente do tema a ser trabalhado em sala de aula, sobretudo, se for trabalhar envolvendo a temática ética, propriamente dita.

Fazer uma prévia exposição do assunto demonstra que o professor é dedicado e está preocupado para que ocorra melhor interação no processo de ensino-aprendizagem do grupo.

Todavia, o carinho, a demonstração da ética e de afeto na realização de simples tarefas ajudam sistematicamente a assimilação e a compreensão do tema proposto aos educandos, pois se sabe que “O professor não pode ser movido somente pela inteligência, mas também pela emoção... sua missão não é ser facilitador, mas animador”.  (REVISTA MUNDO JOVEM, Out/2000, p. 8).

O educador que trabalha a ética e a emoção com mais eficácia, possivelmente verificará melhor rendimento e maior participação dos alunos, uma vez que estas ações quebram alguns paradigmas ou rejeição, que a princípio, possam ocorrer em função da falta ou ausência de empatia inicial entre as pessoas. Assim, a afetividade e a ética abrem caminho, possibilitando melhor a comunicação e contribuem sistematicamente para fluir melhor a convivência durante o processo educativo.  

Trabalhar a ética e a emoção são fundamentais para o processo de ensino e aprendizagem, uma vez que elas facilitam a interação entre professor e aluno.

Indiscutível é a questão de que a ética e a afetividade estejam desvinculadas do ato de ensinar, pois ambas devem caminhar juntas. A educação dever ser mais prazerosa, com aulas mais atrativas e cativantes, que possam envolver o maior número de alunos, mesmo para àqueles que ficam dispersos e alheios.

Somente agindo dessa forma, ter-se-ão resultados animadores, uma vez que as ações praticadas com ética e afetividade atingem a totalidade dos alunos por ser algo mais que o convencional, e por esta razão o professor deverá ser persistente e colocar suas ideias em prática.

Ampliar a curiosidade e despertar o interesse do aluno é uma tarefa instigante, difícil e exigente, porém é muito mais gratificante quando somada à ética e à afetividade: o resgate do aluno é certo e melhora a participação e a interação entre o grupo, pois a sua curiosidade vai fazê-lo buscar, descobrir e compreender melhor o mundo que o cerca. Assim, concentrará numa experiência criativa aprofundando e ampliando conhecimentos que muitas vezes surpreende o próprio professor.

 

Ernesto de Sousa Ferraz Neto 

professor na Rede Pública do Estado de Mato Grosso

0 Comentário(s)
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

MAIS Primavera Do Leste

Eleições são essenciais à democracia?

Eleições são processos pelos quais pessoas escolhem candidatos ou assuntos

Estruturalismo

Logo, os objetivos da Psicologia coincidem com os das ciências naturais

MAIS LIDAS NO CLIQUE F5

MAIS LIDAS MATO GROSSO


Abaixo reportagens especiais e exclusivas para os assinantes do Jornal O Diário

VANTAGEM

Conheça as vantagens oferecidas no CLUBE DO ASSINANTE DO O DIÁRIO

descontos em medicamentos, mensalidade de academias, compra de óculos, corrida de moto táxi, compra de gás de cozinha e até mesmo na conta do barzinho do final de semana. Esses são alguns dos benefícios oferecidos.

Nome ou atividade:

Bairro ou logradouro:

Produto:

Buscar em:

Edição impressa
imagem
os maiores eventos e coberturas
Você é a favor ou contra a privatização da MT 130 sentido Paranatinga?
A favor
Contra
Tanto faz