Tecnologia /

Sexta-feira, 06 de Setembro de 2019, 16h:30

A | A | A

Ansioso pelo 5G? Veja as novidades que já estão em teste no Brasil

arrow-options Ludmila Pizarro/iG Realidade virtual sendo utilizada para monitoramento de áreas urbanas é uma das aplicações do 5G Se há dez anos assistir...


Imagem de Capa
Se há dez anos assistir a série preferida no celular ou fazer uma ligação com vídeo parecia um sonho distante, a expectativa hoje é, muito em breve, poder realizar um exame médico, ou mesmo uma cirurgia à distância, controlar os eletrodomésticos pelo controle remoto da TV, e ainda acessar e mover câmeras de segurança com um óculos de realidade virtual.  Essas são algumas das novidades apresentadas na Casa Tim 5G, aberta ao público até 8 de setembro no Instituto Nacional das Telecomunicações (Inatel) em Santa Rita do Sapucaí, Sul de Minas Gerais.  A tecnologia do 5G ainda não chegou ao Brasil e a expectativa do setor é que o primeiro leilão das frequências ocorra no primeiro semestre de 2020 para que até, no máximo, no primeiro semestre de 2021, o 5G já esteja disponível para os usuários finais.  “Se o leilão ocorrer até março de 2020, (o 5G vai estar disponível) no fim do ano que vem em algumas cidades e no início de 2021”, afirma o CTO da TIM, Leonardo Capdeville. Neste ano, o 5G já começou a ser utilizado em 23 operadoras no mundo em países como Estados Unidos, Coreia do Sul, China, Japão e Austrália.   “Até 2035, o 5G deve gerar mais de US$ 12 trilhões no mercado”, afirma o gerente de produtos da Qualcomm, Helio Oyama.  Veja algumas novas tecnologias que serão beneficiadas com a chegada do 5G e reunidas pela TIM e parceiros durante o evento sobre inovação do Inatel, o HackTown 2019.     Saúde (intertítulo)  FOTO 2 Legenda: realidade aumentada sendo utilizada para aplicações médicas  Uma das principais diferenças entre o 5G e as tecnologias anteriores é a baixa latência, ou seja, o atraso com que a informação enviada pela web chega ao destinatário. Isso permite o avanço da telemedicina. Na Casa Tim 5G, que utilizou tecnologia da TIM e da Ericson para demonstrar aplicações que poderão ser desenvolvidas comercialmente no Brasil com a chegada na nova rede, uma médica fez o exame de ultrassom em uma grávida à distância. Com a ajuda de uma assistente, que não recebeu treinamento prévio, uma luva que simulava os movimentos indicados pela médica em outro ambiente, o exame foi realizado.  FOTO 3 Legenda: Médica realiza ultrassom em grávida remotamente  A realidade aumentada também deve ganhar força com o 5G, com a possibilidade de um especialista, à distância, ter acesso a modelos virtuais de órgãos dos pacientes.     Educação (intertítulo)  A Cisco apresentou um quadro branco interativo em que equipes em cidades diferentes podem interagir escrevendo, conversando, enviando arquivos e vídeos.  Já uma parceria entre a Exsto e a Inatel utiliza o 5G para criar treinamentos com realidade aumentada em ambientes industriais. Além de treinar, a sistema também desenvolve maquetes que simulam o processo de produção e evitam problemas futuros.  FOTO 4 Legenda: Realidade aumentada sendo usada para fazer treinamentos e prever falhas em processo em indústrias de manufatura  Casa conectada (intertítulo)  Máquina de lavar, geladeira, forno elétrico, televisão e smartphone farão parte de um sistema único, conectado e com fácil acesso remoto segundo a demonstração da LG na Casa Tim 5G.  FOTO 5 Legenda: painel de controle de eletrodomésticos na televisão  Outra novidade é que o gerente de produtos móveis da LG, Fabrício Habib, afirmou que um smartphone com tecnologia 5G e tela dupla vai chegar ao mercado brasileiro ainda em 2019, “antes do Natal”, afirmou. O preço ainda não foi divulgado.  FOTO 6 Legenda: Fabrício Habib, da LG, mostra o modelo muititela 5G que será lançado no Brasil ainda em 2019  Agronegócio (intertítulo)  FOTO 7 Legenda: Luciano Leonel Mendes, do Inatel e o painel do projeto 5G Long Range, premiado na Finlândia  As pesquisas do Inatel na área do 5G estão ajudando a desenvolver a tecnologia no mundo. Em 2017 o instituto ganhou um prêmio na Finlândia pelo seu projeto 5G Long Range, que atende áreas remotas. “Conseguimos enviar 50 Mbps a 50km de distância”, conta Carlos Nazareth, diretor do Inatel.  Segundo o coordenador de pesquisa do Centro de Inovação do Inatel, Luciano Leonel Mendes, o 5G tem um alcance cinco vezes maior que o 4G. “Fizemos uma teste em uma escola rural há mais de 10 km de Santa Rita do Sapucaí e oferecemos a 80 alunos (de ensino fundamental) o primeiro acesso deles a internet rápida”, afirma Mendes.  Para o coordenador, com a chegada do 5G será possível desenvolver soluções para o agronegócio e áreas remotas um terço (33%) mais baratas do que as disponíveis hoje no mercado brasileiro.  Robótica e indústria 4.0 (intertítulo)  Além de baixa latência, alta velocidade e maior alcance, o 5G também é mais preciso, ou seja, apresenta menos falhas de conexão. Com isso, é o ideal para ser utilizada em aparelhos de precisão na indústria. Um exemplo foi a presença na Casa 5G do único robô colaborativo de dois braços do mundo, o Yumi, da empresa suíça ABB. Ele foi programado para servir café e demonstrar como a rede 5G oferece confiabilidade.  FOTO 8 Legenda: O robô Yumi serve café aos visitantes da Casa 5G  A indústria 4.0 também irá se beneficiar com a confiabilidade da rede 5G na avaliação dos executivos da Qualcomm, que desenvolve processadores para smartphones entre outros produtos. Segundo Helio Oyama, a confiabilidade do 5G chega a 99,9999%. “Isso significa em 10 anos vai ocorrer um dia de falha”, traduz o diretor de desenvolvimento de negócios da Qualcomm, Douglas Benítez.  FOTO 9 Legenda:  Helio Oyama demonstra as aplicações do 5G na Indústria 4.0  Entraves (ntertítulo)  Se as empresas estão ávidas para colocar a realidade do 5G em prática no Brasil, alguns obstáculos precisam ser superados. No momento, o principal é a confirmação do leilão da frequência pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). O leilão foi divulgado para março de 2020, mas diversos executivos do setor presentes ao evento do Inatel não acreditam nessa data. “Se acontecer no primeiro semestre de 2020 já está ótimo. Porque se acontece no segundo semestre, já é um outro ciclo de investimento das empresas, e fica para 2021”, afirma um deles.  A atual legislação com relação a colocação de antenas foi outra preocupação apresentada pelos executivo. “A legislação (sobre colocação de antenas) é municipal. Temos no Brasil mais de 5.000 municípios, então temos que trabalhar com mais de 5.000 leis diferentes. Em algumas cidades a gente leva até dois anos para instalar uma antena”, relata o presidente da Ericsson para o cone sul da América Latina, Eduardo Ricotta. A Ericsson fará a implementação do 5G da Tim no Brasil. Das 23 operações comerciais de 5G no mundo, 18 foram implementados pela Ericsson.  O CTO da TIM, Leonardo Capdeville  informa que o 5G utiliza um número maior de antenas, mas menores do que as utilizadas em tecnologias anteriores. “Cidades como São Paulo e Belo Horizonte têm legislação que trata a antena 5G como uma antena de 70 metros e é muito diferente”, afirma.  O executivo ainda argumenta que o 5G deve ser visto como uma “política de Estado”. “Com o 5G vamos evoluir em segurança, educação e medicina. Vamos atrair investimento para o país, então, tem que ser pensado (pelo governo) como uma política de Estado e não com um viés arrecadatório”, afirma.  Capdeville explica que além do leilão da frequência, as empresas arcam com obrigações apresentadas pelo órgão regulador e com o investimento para implementação da tecnologia. “O dinheiro vem do mesmo lugar”, diz o executivo. Para ele, o valor do leilão e as obrigações podem fazer com que o processo de implementação fique mais lento. “O ideal seria trocar as atuais obrigações do 4G pelas do 5G”, sugere.        arrow-options
Ludmila Pizarro/iG
Realidade virtual sendo utilizada para monitoramento de áreas urbanas é uma das aplicações do 5G

Se há dez anos assistir a série preferida no celular ou fazer uma ligação com vídeo parecia um sonho distante, a expectativa hoje é, muito em breve, poder realizar um exame médico, ou mesmo uma cirurgia à distância , controlar os eletrodomésticos pelo controle remoto da TV, e ainda acessar e mover câmeras de segurança com um óculos de realidade virtual.

Essas são algumas das novidades apresentadas na Casa Tim 5G , aberta ao público até 8 de setembro no Instituto Nacional das Telecomunicações ( Inatel ) em Santa Rita do Sapucaí, Sul de Minas Gerais.

A tecnologia do 5G ainda não chegou ao Brasil e a expectativa do setor é que o primeiro leilão das frequências ocorra no primeiro semestre de 2020 para que até, no máximo, no primeiro semestre de 2021, o 5G já esteja disponível para os usuários finais.

Leia também: Huawei busca expandir tecnologia 5G, mas diz que Brasil está atrasado

“Se o leilão ocorrer até março de 2020, (o 5G vai estar disponível) no fim do ano que vem em algumas cidades e no início de 2021”, afirma o CTO da TIM, Leonardo Capdeville. Neste ano, o 5G já começou a ser utilizado em 23 operadoras no mundo em países como Estados Unidos, Coreia do Sul, China, Japão e Austrália.

 “Até 2035, o 5G deve gerar mais de US$ 12 trilhões no mercado”, afirma o gerente de produtos da Qualcomm , Helio Oyama.

Leia também: Qual a melhor maneira de economizar a bateria do celular?

Veja algumas novas tecnologias que serão beneficiadas com a chegada do 5G e reunidas pela TIM e parceiros durante o evento sobre inovação do Inatel, o HackTown 2019.

Saúde

Realidade aumentada sendo utilizada para aplicações médicas arrow-options
Ludmila Pizarro
Realidade aumentada sendo utilizada para aplicações médicas

Uma das principais diferenças entre o 5G e as tecnologias anteriores é a baixa latência, ou seja, o atraso com que a informação enviada pela web chega ao destinatário. Isso permite o avanço da telemedicina. Na Casa Tim 5G , que utilizou tecnologia da TIM e da Ericson para demonstrar aplicações que poderão ser desenvolvidas comercialmente no Brasil com a chegada na nova rede, uma médica fez o exame de ultrassom em uma grávida à distância. Com a ajuda de uma assistente, que não recebeu treinamento prévio, uma luva que simulava os movimentos indicados pela médica em outro ambiente, o exame foi realizado.

Médica realiza ultrassom em grávida remotamente arrow-options
Ludmila Pizarro
Médica realiza ultrassom em grávida remotamente


A realidade aumentada também deve ganhar força com o 5G, com a possibilidade de um especialista, à distância, ter acesso a modelos virtuais de órgãos dos pacientes.

Educação 

A Cisco apresentou um quadro branco interativo em que equipes em cidades diferentes podem interagir escrevendo, conversando, enviando arquivos e vídeos.

Já uma parceria entre a Exsto e a Inatel utiliza o 5G para criar treinamentos com realidade aumentada em ambientes industriais. Além de treinar, a sistema também desenvolve maquetes que simulam o processo de produção e evitam problemas futuros.

Realidade aumentada sendo usada para fazer treinamentos e prever falhas em processo em indústrias de manufatura arrow-options
Ludmila Pizarro
Realidade aumentada sendo usada para fazer treinamentos e prever falhas em processo em indústrias de manufatura


Casa conectada

Máquina de lavar, geladeira, forno elétrico, televisão e smartphone farão parte de um sistema único, conectado e com fácil acesso remoto segundo a demonstração da LG na Casa Tim 5G.

Painel de controle de eletrodomésticos na televisão arrow-options
Ludmila Pizarro
Painel de controle de eletrodomésticos na televisão

Outra novidade é que o gerente de produtos móveis da LG, Fabrício Habib, afirmou que um smartphone com tecnologia 5G e tela dupla vai chegar ao mercado brasileiro ainda em 2019, “antes do Natal”, afirmou. O preço ainda não foi divulgado.

Fabrício Habib, da LG, mostra o modelo muititela 5G que será lançado no Brasil ainda em 2019 arrow-options
Ludmila Pizarro
Fabrício Habib, da LG, mostra o modelo muititela 5G que será lançado no Brasil ainda em 2019


Agronegócio

Fabrício Habib, da LG, mostra o modelo muititela 5G que será lançado no Brasil ainda em 2019 arrow-options
Ludmila Pizarro
Luciano Leonel Mendes, do Inatel e o painel do projeto 5G Long Range, premiado na Finlândia


As pesquisas do Inatel na área do 5G estão ajudando a desenvolver a tecnologia no mundo. Em 2017 o instituto ganhou um prêmio na Finlândia pelo seu projeto 5G Long Range, que atende áreas remotas. “Conseguimos enviar 50 Mbps a 50km de distância”, conta Carlos Nazareth, diretor do Inatel.

Segundo o coordenador de pesquisa do Centro de Inovação do Inatel, Luciano Leonel Mendes, o 5G tem um alcance cinco vezes maior que o 4G. “Fizemos uma teste em uma escola rural há mais de 10 km de Santa Rita do Sapucaí e oferecemos a 80 alunos (de ensino fundamental) o primeiro acesso deles a internet rápida”, afirma Mendes.

Para o coordenador, com a chegada do 5G será possível desenvolver soluções para o agronegócio e áreas remotas um terço (33%) mais baratas do que as disponíveis hoje no mercado brasileiro.

Robótica e indústria 4.0 

Além de baixa latência, alta velocidade e maior alcance, o 5G também é mais preciso, ou seja, apresenta menos falhas de conexão. Com isso, é o ideal para ser utilizada em aparelhos de precisão na indústria. Um exemplo foi a presença na Casa 5G do único robô colaborativo de dois braços do mundo, o Yumi, da empresa suíça ABB. Ele foi programado para servir café e demonstrar como a rede 5G oferece confiabilidade.

 O robô Yumi serve café aos visitantes da Casa 5G arrow-options
Ludmila Pizarro
O robô Yumi serve café aos visitantes da Casa 5G


A indústria 4.0 também irá se beneficiar com a confiabilidade da rede 5G na avaliação dos executivos da Qualcomm, que desenvolve processadores para smartphones entre outros produtos. Segundo Helio Oyama, a confiabilidade do 5G chega a 99,9999%. “Isso significa em 10 anos vai ocorrer um dia de falha”, traduz o diretor de desenvolvimento de negócios da Qualcomm, Douglas Benítez.

Helio Oyama demonstra as aplicações do 5G na Indústria 4.0 arrow-options
Ludmila Pizarro
Helio Oyama demonstra as aplicações do 5G na Indústria 4.0


Entraves 

Se as empresas estão ávidas para colocar a realidade do 5G em prática no Brasil, alguns obstáculos precisam ser superados. No momento, o principal é a confirmação do leilão da frequência pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). O leilão foi divulgado para março de 2020, mas diversos executivos do setor presentes ao evento do Inatel não acreditam nessa data. “Se acontecer no primeiro semestre de 2020 já está ótimo. Porque se acontece no segundo semestre, já é um outro ciclo de investimento das empresas, e fica para 2021”, afirma um deles.

Leia também: TVs por assinatura tiveram 1,3 milhão de cancelamentos em um ano

A atual legislação com relação a colocação de antenas foi outra preocupação apresentada pelos executivo. “A legislação (sobre colocação de antenas) é municipal. Temos no Brasil mais de 5.000 municípios, então temos que trabalhar com mais de 5.000 leis diferentes. Em algumas cidades a gente leva até dois anos para instalar uma antena”, relata o presidente da Ericsson para o cone sul da América Latina, Eduardo Ricotta. A Ericsson fará a implementação do 5G da Tim no Brasil. Das 23 operações comerciais de 5G no mundo, 18 foram implementados pela Ericsson.

O CTO da TIM , Leonardo Capdeville  informa que o 5G utiliza um número maior de antenas, mas menores do que as utilizadas em tecnologias anteriores. “Cidades como São Paulo e Belo Horizonte têm legislação que trata a antena 5G como uma antena de 70 metros e é muito diferente”, afirma.

Leia também: Vivo e Tim podem começar a compartilhar suas redes em 2G e 4G no país

O executivo ainda argumenta que o 5G deve ser visto como uma “política de Estado”. “Com o 5G vamos evoluir em segurança, educação e medicina. Vamos atrair investimento para o país, então, tem que ser pensado (pelo governo) como uma política de Estado e não com um viés arrecadatório”, afirma.

Capdeville explica que além do leilão da frequência, as empresas arcam com obrigações apresentadas pelo órgão regulador e com o investimento para implementação da tecnologia. “O dinheiro vem do mesmo lugar”, diz o executivo. Para ele, o valor do leilão e as obrigações podem fazer com que o processo de implementação fique mais lento. “O ideal seria trocar as atuais obrigações do 4G pelas do 5G”, sugere.

0 Comentário(s)
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!
Edição impressa
imagem
os maiores eventos e coberturas
Você é a favor ou contra a privatização da MT 130 sentido Paranatinga?
A favor
Contra
Tanto faz