Mato Grosso /

Terça-feira, 05 de Novembro de 2019, 15h:30

A | A | A

Estado cobra mudanças no FCO para facilitar acesso ao crédito

Em audiência com a ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, na última semana, em Brasília, o secretário de Estado de Agricultura...


Imagem de Capa

Em audiência com a ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, na última semana, em Brasília, o secretário de Estado de Agricultura Familiar, Silvano Amaral voltou a defender a necessidade de empenho do governo federal para facilitar o acesso das cooperativas de crédito aos recursos disponibilizados pelo Fundo Constitucional do Centro-Oeste (FCO).

A mudança nas regras é fundamental para o avanço da Agricultura Familiar em Mato Grosso, e se tornou agenda prioritária em uma série de articulações junto à bancada federal.

O tratamento diferenciado dado às cooperativas de crédito, tem causado transtorno aos agricultores no acesso ao financiamento. Com a lei federal 13.682/18, toda carta-consulta vinculada às cooperativas para análise de crédito deve ser submetida à aprovação do Conselho Deliberativo do Desenvolvimento do Centro-Oeste (Condel), em Brasília. O que não ocorre com as demais instituições financeiras, que operam a análise das propostas dentro do próprio Estado. O teto financeiro para operação das cooperativas também é menor, apenas 10% do valor vinculado às demais instituições.  

O deputado federal Neri Geller pontou sobre a urgência na mudança das regras e defendeu a adoção de parâmetros igualitários entre as instituições financeiras para a concessão do crédito. “A legislação que rege o FCO precisa passar por alterações, precisa ser atualizada, é inconcebível que os valores tramitados pelas cooperativas de crédito tenham tratamento diferenciado. Mato Grosso precisa de autonomia, não podemos ficar à mercê de que o financiamento de um simples trator tenha que ser enviado à Brasília para análise do Condel. Temos a expectativa de que nos próximos 15 dias a publicação da medida provisória seja concretizada, dando fôlego ao setor”, destacou Neri. 

A proposta é desburocratizar a tramitação de documentos, dando autonomia às cooperativas para a análise e concessão dos valores. Hoje, a burocracia tem desmotivado os produtores a buscar crédito junto às cooperativas, que tem grande presença no interior do Estado.

Para o senador Jayme Campos, que participou da audiência, um dos principais pontos para o avanço da agricultura, principalmente a familiar, é a garantia de regras simples e o fim da burocracia no momento em que o produtor precisa acessar o crédito.

“É contraproducente pensarmos no excesso de burocracia imposto pelo Brasil ao trabalhador, exatamente quando esse mesmo Brasil luta com unhas e dentes pelo crescimento e pela redução de tantos outros indicadores negativos. Precisamos desburocratizar o acesso ao crédito, e aqui defendo de maneira veemente os nossos agricultores familiares que estão sendo estrangulados. Tenho sido um crítico do Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste que, lamentavelmente, não tem atendido seus objetivos devido à centralização do crédito. É preciso dar oportunidade a entidades sólidas presentes no mercado como Sicred, Sicoob, entre outros. Tenho certeza, de que a ministra Tereza Cristina, sensível ao crescimento de nosso estado, terá um papel preponderante nesse elo entre o governo federal e a agricultura familiar. Tenho certeza de que irá trabalhar para a desburocratização da oferta de crédito aos agricultores e na rediscussão do FCO”, defendeu Jayme Campos.

0 Comentário(s)
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!
Edição impressa
imagem
os maiores eventos e coberturas
Você é a favor ou contra a privatização da MT 130 sentido Paranatinga?
A favor
Contra
Tanto faz