CIDADE /

Segunda-feira, 29 de Julho de 2019, 14h:52

A | A | A

Dia do Agricultor: homem do campo é o maior gerador de riquezas para o município

Em homenagem ao Dia do Agricultor, O Diário realizou uma matéria especial falando sobre a produção agrícola do município, afinal o homem do campo ainda é o alicerce do nosso país.


Imagem de Capa
Paulo Pietro

Campo Verde se mostra como uma cidade próspera e preparada para o futuro. Sua população formada por empreendedores de vários locais do país, encontra em Campo Verde um local para se viver com tranquilidade e produzir com disposição.

 

Do solo do município nascem as maiores riquezas e também maiores vocações. Atualmente 41% do PIB de Campo Verde vem do setor agrícola direto, indiretamente esses números são muito expressivos, levando em conta que boa parte da prestação de serviço e industrias provem do trabalho no agronegócio. A cidade gera 1% de todos os empregos de Mato Grosso, sendo que a maior fatia corresponde ao agronegócio. Estamos entre 20 municípios que mais exportam e entre os 10 maiores geradores de empregos. 

 

A Produção Agrícola

 

A cidade tem uma grande produção agrícola. Com relação ao algodão, graças às características climáticas, com períodos de seca e de chuva bem definidos, ao solo e ao alto grau de tecnologia aplicada no cultivo das lavouras, Campo Verde conquistou o título de “Capital Nacional do Algodão”. Segundo os dados do IMEA, entre safra normal e safrinha foram cultivados mais de 90 mil hectares, com produtividade média entre 260 arrobas por hectare. É o segundo município que mais produz algodão no estado e já tem indústrias de fiação no município que verticalizam a produção das matérias primas, que aliás, são de primeira qualidade.

 

De acordo com os dados, anualmente são cultivados 251 mil hectares de soja em Campo Verde, com produtividade média de 56 sacas por hectare. Há registro de média superior a 60 sacas em áreas isoladas. A soja é responsável por fomentar vários setores da economia local. No setor comercial, movimenta os segmentos de máquinas, implementos e insumos agrícolas. A construção civil e o mercado imobiliário são outros beneficiados pelos excelentes resultados das lavouras.

 

O milho safrinha, que no início era cultivado apenas para ocupar o solo no período de entressafra da soja, é hoje uma importante cultura e contribui significativamente com a economia de Campo Verde. Graças à produtividade das lavouras, que é de 110 sacas por hectare, podendo, ocasionalmente, superar 140 sacas em áreas isoladas, a área com milho safrinha em Campo Verde tem aumentando ano a ano, chegando a 110 mil hectares cultivados nas ultimas safras.

 

O milho produzido no município é exportado para outros países e absorvido pelas indústrias de ração de Mato Grosso e de outros estados brasileiros. A grande oferta de milho em Campo Verde favorece ainda a exploração de outras atividades, como a avicultura de corte, de postura e a criação de suínos e outros animais.

 

Em geral, estamos entre os 10 municípios que mais produzem grãos no estado de Mato Grosso, segundo a CONAB.

 

Criação de animais

 

Na produção de animais Campo Verde também se destaca com grande potencial. Os números de cabeça de gado no município já ultrapassam 84 mil animais de corte e cerca de 3,7 mil destinados à produção leiteira, em mais de 500 propriedades.

 

O gado de corte, na sua maioria, é criado através do sistema extensivo, ou seja, a pasto. No entanto, devido a grande oferta de matéria-prima para a produção de ração, muitos criadores estão adotando o confinamento como forma de criação, o que garante animais com peso ideal para o abate em menos tempo. A pecuária leiteira, aproveitando também a oferta de alimentos, tem ganhado espaço entre os criadores e registrado crescimento significativo nos últimos anos, com uma produção diária de 20 mil litros proporcionada por um plantel de 1,5 mil vacas em lactação.

 

Devido a altitude de 745 metros acima do nível do mar, a temperatura em Campo Verde é mais amena que em outras regiões do estado, o que favorece muito a criação de aves para o abate. Desse modo, o município tornou-se pioneiro na atividade.

 

Na suinocultura Campo Verde também se destaca como a quinta força do estado. Com um plantel de 6 mil matrizes e uma produção anual de 90 mil animais, a suinocultura, a partir da metade da década de 2000, entrou no processo de verticalização, com criadores fazendo o que se chama de ciclo completo, ou seja, criam, engordam, abatem os animais, processam e comercializam a carne.  

 

0 Comentário(s)
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!
Edição impressa
imagem
os maiores eventos e coberturas
21.02.2020 - 11h02
21.02.2020 - 11h01
21.02.2020 - 10h59
Você é a favor ou contra a privatização da MT 130 sentido Paranatinga?
A favor
Contra
Tanto faz