SAÚDE /

Sexta-feira, 02 de Março de 2018, 07h:00

A | A | A

Medicamentos de alto custo fornecidos pelo Estado estão em atraso há 60 dias

Além disto, o repasse de R$ 11 mil para custeio de medicações não é feito desde junho do ano passado


Imagem de Capa
Pérsio Souza

A falta de medicamentos é um problema que está presente em diversas cidades de Mato Grosso e em Primavera do Leste não é diferente. O município cumpre com o papel na compra e fornecimento de 155 medicamentos na Atenção Básica. Já o Estado deve fornecer os remédios de alto custo, coisa que não faz há 60 dias. Além disto, o repasse de R$ 11 mil para custeio de medicações não é feito desde junho do ano passado.

Uma moradora de Primavera denunciou a falta de medicação através de um grupo de interação mantido pelo jornal O Diário. Dos cinco remédios que a assinante foi à procura, foi fornecido apenas um medicamento para pressão. “É uma pouca vergonha todos remédios para pressão estarem em falta na Farmácia municipal”, relata.

Além da assinante, o sogro dela também precisou de medicamente, porém, como não havia, precisou comprar, pois não pode ficar sem. A primaverense relata que foi gasto mais de R$ 200 na compra do remédio.

Ela ainda acrescenta que parte da medicação, quando não encontrada na Farmácia Municipal, ela busca na farmácia da Universidade de Cuiába – polo Primavera - que fornece alguns medicamentos. “Muitas vezes são eles que ajudam. Alguns remédios, como exemplo o Losartan, tem lá. Eles fazem um pré-cadastro do paciente e avisam quando a medicação chega”, informa.

Procuramos a secretária municipal de Saúde, Laura Leandra, para esclarecer sobre a falta de medicamentos e ela explica que a medicação que não está sendo fornecida é por parte do Estado, que não faz o repasse há 60 dias.

As medicações de alto custo são de responsabilidade do Estado e segundo a secretária, a última remessa que Primavera recebeu foi em janeiro, que segue a lista referente a dezembro. Ou seja, o município está sem repasse de medicamentos por parte do Estado há 60 dias, quando o correto é vir a cada 30.

Como não é só Primavera do Leste que passa por estes problemas, os secretários municipais de saúde de Mato Grosso e membros do Conselho Regional de Saúde se reúnem para discutir quais medidas podem ser tomadas diante a esta situação.

Neste período sem a entrega da medicação, o Estado já alegou que não tem servidor, posteriormente disse que os laboratórios não forneceram e até mesmo que são problemas administrativos.

“As entregas da medicação por parte do Estado são irregulares, pois atrasam e os pacientes acabam associando que é o município que está em falta”, diz a secretária. Laura também reconhece a dificuldade das famílias e cita remédios que custam R$ 7 mil, em que o paciente precisa entrar na Justiça contra o Estado, pois não têm condições de comprá-lo.

 

medicação fornecido pelo município  

 

O município é responsável pelo fornecimento de 155 medicamentos, sendo 132 itens básicos e 23 de controle especial. O único auxílio que a Secretaria municipal de Saúde possui é do Governo Federal, que faz um repasse mensal de R$ 23 mil. Já o Estado, que assumiu o compromisso de arcar com R$ 11 mil por mês, não cumpre desde junho de 2017.

Laura Leandra explica que quando a gestão assumiu, em setembro, não haviam medicamentos nos estoques da farmácia municipal, então, em outubro, abriram um processo licitatório para a compra dos remédios para a população.

Atualmente, a secretária esclarece que há falta de poucos medicamentos por parte do município e que os faltosos, muitas vezes, são por conta de não haver matéria prima, fabricação, ou por não possuir fornecedores interessados nos pregões.

“Nós temos 18 empresas diferentes que fornecem medicações e possuem o prazo de 15 dias para fazer a entrega. Somente a farmácia básica, no nosso último pedido, foram gastos, em média, R$ 160 mil e foram entregues 95 medicamentos”, pontua a secretária.

Apesar não ter o repasse do Estado, a Farmácia Municipal de Primavera oferece mais medicamentos que os outros municípios da região, conforme Laura. Os remédios são comprados conforme a demanda da população.

 

OUTRO LADO

 

Entramos em contato com a Secretaria de Estado de Saúde (SES) para maiores esclarecimentos. Questionado o motivo do atraso dos medicamentos, previsão para entrega e a falta de remédios de alto custo.

A SES, por meio da Assessoria de Imprensa, encaminhou uma nota que não respondeu nenhum dos questionamentos feitos por nossa equipe de reportagem. Confira: “Os medicamentos e insumos do componente básico da assistência farmacêutica são custeados pelo Ministério da Saúde, Estados e Municípios. No Estado de Mato Grosso a programação, aquisição, distribuição e dispensação são atribuições dos municípios”.

 

PROBLEMA NO ESTADO

 

A secretária de Saúde da capital, Elizeth Araújo, em coletiva de imprensa realizada no dia 23 de fevereiro, se manifestou sobre a falta de medicamentos nas unidades de saúde de Cuiabá. A titular da pasta pontuou impasses com as empresas que distribuem os medicamentos e também o déficit do Governo do Estado de R$ 60 milhões. No entanto, a Secretaria Estadual de Saúde (SES) contesta, e diz que o valor devido é de R$ 46,1 milhões.

A secretária também assumiu a falta de mais de 200 tipos de medicamentos nas unidades e anunciou um pregão emergencial para que uma nova empresa possa fornecer medicamentos.

 

 

 

 

0 Comentário(s)
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!
Edição impressa
O que você acha que deve ser feito com os carrinhos de lanche em PVA?
Devem ser retirados das avenidas!
Devem permanecer onde estão!
Devem ficar todos na Praça de Eventos!
Devem ser realocados para as praças da cidade!