EDITORIAL /

Segunda-feira, 06 de Fevereiro de 2017, 18h:13

A | A | A

Seleção por competência

A população não tolera mais o apadrinhamento incompetente, de pessoas que estão nas repartições enfeitando menos que vaso de flor


Já afirmamos aqui, neste espaço, que sábio é quem aprende com os outros, erros ou acertos. Desde que aprenda para o bem. Não há muito que falar sobre a administração pública de Primavera do Leste. Ainda, devido a tudo aquilo que os leitores já sabem decor, está nos primeiros dias, pisando em ovos, coletando informações e ajustes acontecem todo dia. Resta-nos esperar que o melhor para a população aconteça independente de quem o faça que assim desempenhe com eficácia e profissionalismo.

Sendo assim, se não falamos dos nossos falaremos dos outros. O prefeito de São Paulo, João Dória, começou seu mandato afirmando que não era político, prefere ser gestor. O resto todo mundo sabe, foi varrer rua, andou de metrô e ônibus, declarou guerra às pichações, vai multar atrasados nas reuniões e muito mais.

Em Porto Alegre, o prefeito Nelson Marchezan, irá privilegiar competência e meritocracia sobre indicações políticas na escolha dos gestores dos órgãos municipais. E a Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC), segundo informou ontem o secretário de Infraestrutura e Mobilidade Urbana, sairá do Banco de Talentos que está sendo formado com esse propósito. Ainda que o processo seja mais demorado, a seleção técnica garante transparência e eleva a confiança dos cidadãos nos seus representantes, principalmente neste momento de descrédito da classe política.

São alguns dos exemplos dos novos tempos da administração pública. A população não tolera mais o apadrinhamento incompetente, de pessoas que estão nas repartições enfeitando menos que vaso de flor. São companheiros de partido, mas não entendem do riscado para o qual foram nomeados. Não conseguem cumprir com as responsabilidades e tornam-se um ônus para a comunidade que paga por um serviço ineficiente.

Serve de exemplo e alerta para as gestões municipais que estão começando. Embora ninguém deve ser excluído de oportunidades na administração pública por ser político ou por ter filiação partidária, até mesmo porque tais condições são indispensáveis para o funcionamento da democracia representativa. Mas parece adequado que o recrutamento para alguns cargos de gestão obedeça critérios técnicos e meritocráticos e não apenas o político, como vem sendo feito historicamente no país.

Nem sempre é fácil atrair profissionais de excelência para a gestão pública, que, devido à continuada crise financeira, já não consegue competir com a iniciativa privada na oferta de remuneração e vantagens para os executivos mais capacitados. Ainda assim, a ideia do banco de talentos possibilita encontrar profissionais que querem fazer carreira na administração pública e que poderão ser avaliados pela competência e resultados.

 

 

0 Comentário(s)
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!
Edição impressa
imagem
os maiores eventos e coberturas
O que você acha que deve ser feito com os carrinhos de lanche em PVA?
Devem ser retirados das avenidas!
Devem permanecer onde estão!
Devem ficar todos na Praça de Eventos!
Devem ser realocados para as praças da cidade!