EDITORIAL /

Terça-feira, 07 de Fevereiro de 2017, 18h:08

A | A | A

Os absurdos da vida

O estelionatário do jornal, cobrança da Taseg e Politec sem estrutura alguns dos absurdos de hoje


Repare só caro leitor. Nós que por quase 30 anos denunciamos crimes e mostramos a verdade para a comunidade estamos sendo vítimas de um metido a esperto que se passando por vendedor de O Diário, com talão de recibo e tudo, vende assinaturas para clientes, vai nas empresas e se diz representante da nossa empresa. Triste saber que nosso trabalho está sendo usado e pessoas enganadas ao comprar um produto e não receber.

Essa pessoa poderia ter vindo até nós e comunicado sobre sua vontade de trabalhar, não precisava cometer um crime, enganar pessoas, tentar sujar a credibilidade de uma empresa séria que há mais de 30 anos tenta construir uma história, como é o nosso caso. Mas agora o caso será investigado pelas autoridades. E infelizmente, responderá por um crime. Não precisava ser assim. Estamos sempre abertos e frequentemente selecionando profissionais.  Quanto aos nossos clientes pedimos que solicitem a identificação de quem for oferecer nossos produtos e serviços e nos liguem para pedir informações.

Mas outro assunto que também é um absurdo é um Decreto do Governo Estadual que retoma a cobrança da Taseg, uma taxa relacionada a serviço de segurança pública que deve ser paga por empresários. Mas parece piada. Os empresários agora sendo assaltados pelo governo também, pior do que a mão armada, pois tudo é imposto, taxa, cobrança, contribuição, agora mais essa? Como se o serviço de segurança pública funcionasse bem, obrigado. Nada contra as instituições de segurança, mas o governo se achar no direito de cobrar por algo que ele não faz. Tenha dó! Se não for quem produz manter tudo funcionando só o governo não daria conta.

Imagine uma empresa de pequeno porte, com todas as contas, precisa investir em sistema de segurança e monitoramento porque sabe que as polícias fazem o que podem com a estrutura que tem, precisa desembolsar mais com taxa da segurança pública, vai trabalhar só para o governo. E ainda ter que ligar a televisão e ler no jornal que acontecem desvios aqui e ali. Mas é de espernear mesmo. Convocar as entidades e dizer que basta. Primeiro o governo que ofereça um serviço eficiente que os empresários pagariam sem reclamar.

Algumas coisas melhoraram na segurança pública, mas nem a metade do que precisa. Ou algum empresário que tem um comércio dorme tranquilo a noite sabendo que seu estabelecimento pode ser alvo de criminosos?

Agora o último absurdo de hoje. Não bastasse mandar notificação de cobrança para as empresas de taxa de segurança, a Politec de Primavera do Leste está desde 2015 sem veículo para atender em casos de remoção de cadáveres. E os funcionários trabalhando aquém das suas funções para não deixar a população sem atendimento.

Aí, justificar como a cobrança? Está mais do que na hora da população dar um basta, parar de pagar o preço de um serviço que não acontece. Vemos estarrecidos os fatos descobertos pela Lava-Jato, montantes que nem se sabe como contar. O Brasil é um país rico com administradores ruins.

Como mudar essa situação? Boa pergunta. Talvez nosso leitor saiba. Precisamos passar o Brasil a limpo. Mas será que limpa?

Oh, Cabral! Deveria ter dado meia volta no navio.

 

 

0 Comentário(s)
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!
Edição impressa
imagem
os maiores eventos e coberturas
O que você acha que deve ser feito com os carrinhos de lanche em PVA?
Devem ser retirados das avenidas!
Devem permanecer onde estão!
Devem ficar todos na Praça de Eventos!
Devem ser realocados para as praças da cidade!