ARTIGO /

Segunda-feira, 04 de Junho de 2018, 10h:39

A | A | A

Pela última vez!

De repente na ausência começamos a valorizar algo que pouco importava na presença?


Imagem de Capa
Jean Carlos -

Como seria dado um abraço se soubéssemos que seria pela última vez?

Como seria o beijo se soubéssemos que seria o último beijo?

Como seria um simples “Olá” se soubéssemos que jamais veríamos novamente aquela pessoa?

Diante destes questionamentos talvez o maior de todos fosse, por que nos comportamos como se tudo em volta será eterno, e de repente na ausência começamos a valorizar algo que pouco importava na presença? Imagine se nos comportássemos considerando ser a última vez, como seria nossa atenção do momento, existe um ditado popular que diz, “só damos valor depois que perdemos”, certamente você que está lendo esse artigo já ouviu esse ditado popular em algum momento, mas o mais interessante é que mesmo sendo sabedores disso, agimos diferente.

Lucy Felix tem uma frase que diz, “Beije, abrace, diga o quanto o ama, em todas as despedidas, como se fosse a última”, obvio que se soubéssemos que seria pela última vez teríamos comportamentos diferentes, o abraço seria mais forte e demorado, mas nunca temos esta certeza e a dúvida sempre existirá, nos resta valorizar o momento sendo sabedor de que pode ser o último. Nada é para sempre, nem a alegria e nem a tristeza, vivemos de ciclos, quando acaba um, logo vem outro, nos resta apenas dar o devido valor para aproveitarmos ao máximo cada momento, como na frase de Richard Bach que diz, “A melhor maneira de agradecer por um belo momento é desfrutá-lo plenamente”.

Façamos então valer a pena e com coerência viver todos os momentos como se fosse o último, deixemos de lado então todo o orgulho e o rancor, sei que de repente podem pensar “escrever é fácil, vamos ver se é isso mesmo na prática”? Sei que fácil não é, afinal somos seres humanos dotados de imperfeições, mas temos que está em constante policiamento para que possamos nos tornar pessoas mais compreensíveis, todos somos sabedores que guardar sentimentos ruins dentro do peito é prejudicial á saúde. Tem uma música com letra de João Victor Mariano interpretada por Michel Teló e Rodrigo Ferreira que diz, “Só temos hoje para amar, só temos agora, não sabemos  quanto tempo falta pra nossa vida se encerrar”, a letra desta canção é algo muito forte e verdadeira, pois não sabemos quanto tempo falta para nossa vida se encerrar, não sabemos quando será pela última vez.

 

Jean Carlos

Professor de Ciências da Natureza e Matemática.

3 Comentário(s)
Parabéns professor por essa matéria.infelizmente nós seres humanos somos assim,as vezes até reconhecemos nossos erros,mas não temos a coragem de pedir perdão.Que essa matéria nos sirva de lição.
enviado por: Cleonice De J.Bento em 04/06/2018 às 11:41:38
1
 
0
responder
Amor carinho Abraços declarações são a essência de nossas vidas amo ler suas publicações k vem de seu coração. .Parabéns ..
enviado por: Olga iolanda em 04/06/2018 às 11:45:55
1
 
0
responder
Palavras sábias é verdadeiras todos nós deveríamos dar mais valor um ao outro como diz as suas sábias palavras.só temos hoje pra amar.parabéns pelas suas poesías.
enviado por: Andreia A.M.Medeiros em 04/06/2018 às 11:48:28
1
 
0
responder

MAIS Primavera Do Leste

Você pode curar a sua vida

Assim como você imagina em sua alma assim você é”. Provérbios 23.7

QUANDO O LUTO SE TRANSFORMA EM DOENÇA

O primeiro ano após a perda é o mais difícil, porque é nesse ano que ocorrem todos os primeiros aniversários sem a pessoa

MAIS LIDAS NO CLIQUE F5

MAIS LIDAS MATO GROSSO


Abaixo reportagens especiais e exclusivas para os assinantes do Jornal O Diário

CLUBE DO ASSINANTE

EMPRESAS PARTICIPANTES

Nome ou atividade:

Bairro ou logradouro:

Produto:

Buscar em:

Edição impressa
imagem
os maiores eventos e coberturas
Você é a favor ou contra a revitalização das Avenidas de Primavera?
A favor.
Contra.
Não tenho opinião formada sobre o assunto.