Quarta-feira, 22 de Junho de 2016, 10h40
PSICANALISAR
DIMINUINDO O RITMO JUNTO AOS FILHOS
Como criar uma rotina menos estressante

Milene Teixeira

São muitas as dificuldades que surgiram para as relações afetivas devido a pressa gerada pelo mundo globalizado, por estes dias cheios de compromissos, prazos, exigências, e os prejuízos que isso tem causado aos relacionamentos que acabaram se tornando mais superficiais.

Seguindo essa sequência do pensamento, trago à tona a relação entre pais e filhos. Esse é um assunto muito importante para clínica psicanalítica, pois é a partir das relações estabelecidas na infância que se estuda as dificuldades e sofrimentos sentidas pelo adulto.

Os adultos hoje são muito ocupados, acumulam funções e atividades que exigem deles muito tempo e geram estresse.  Quando têm filhos, passam a maior parte do tempo cansados ou com pressa, e esse comportamento ensina os filhos a serem acelerados também! Ora, se os pais que são modelos para o filho, fazem tudo com rapidez e pressa, é assim que a criança vai agir, e por isso, vemos tantas crianças inquietas e desatentas nas escolas por exemplo, sendo muitas vezes, erroneamente taxada de hiperativa. Porem quando se conhece o pai ou a mãe, se vê alguém também acelerado no seu modo de agir.

E o que fazer para modificar essa situação? Como os pais podem agir com os filhos para dar-lhes uma condição de vida menos estressante?

Em primeiro lugar o adulto precisa compreender que vai ter que escolher e priorizar! Perceber que o ritmo de vida que leva esta insatisfatório para ele e para seus filhos, e causando um desgaste emocional. A partir disso nasce o desejo de mudança, e ai, algumas dicas do que fazer com as crianças para se desenvolver um relacionamento mais íntimo e reconfortante para todos:

1. Manter o foco na relação pais e filhos, perceber que esse é um papel fundamental na vida de ambos. Que a criança precisa dos pais, e os pais podem se tornarem pessoas muito melhores juntos dos filhos.

2. Planejar juntos o futuro próximo, um passeio ou uma atividade que poderá ser feita no fim de semana por exemplo, assim, reduz na criança a expectativa da espera longa, e se cria a expectativa do bom momento.

3. Propiciar diálogo com os filhos. Os pais devem sempre estar abertos a conversar e a entender a perspectiva deles sobre os fatos. A demonstração de interesse empático pelo filho aumenta a intimidade, o afeto, e cria um ambiente favorável de confiança e cumplicidade.

4. Construir brinquedos juntos pode ser um bom treino para diminuir a pressa. Seja um quebra cabeça, um carrinho, um jogo ou um castelo de areia, tudo feito junto, num momento de tranquilidade, favorece o diálogo e a interação.

5. Dividir as dificuldades também é uma boa atitude, ensina a cooperação, e a criança se sente membro importante e considerado na família.

6. Organizar uma refeição juntos, onde as crianças colaboram na arrumação da mesa, na confecção da comida, seja lavando um tomate, misturando uma massa para bolo, ou pegando um alimento no armário. Mas poder ter essa atividade juntos, de forma lúdica e tranquila.

7. Marcar ao menos uma refeição em que todos se sentem à mesa juntos para comer.

8. Mostrar interesse pelos pensamentos, ideias e sentimentos da criança, ouvindo atentamente, com os ouvidos, com os olhos, com o coração, aquilo que a criança diz.

9. Definir bem o papel de cada membro da família, e apontar os comportamentos incorretos da criança e do adulto quando erra, poder reconhecer seu erro e se desculpar por ele junto aos filhos, se mostrando humano, nomeando as suas emoções e o que foi sentido pela criança, ensinando assim a humildade, a compreensão e o afeto.

 

 


Fonte: Clique F5
Visite o website: http://cliquef5.com.br