politica /

Quarta-feira, 14 de Junho de 2017, 01h:10

A | A | A

Joesley Batista volta para o Brasil e presta depoimento à Procuradoria

Assessoria do proprietário do grupo J&F diz que o empresário estava na China após fechar acordo de delação premiada e que família foi ameaçada


Imagem de Capa
JBS ajudou a financiar campanhas de 1.829 candidatos de 28 partidos, segundo Joesley Batista
Reprodução/Facebook
JBS ajudou a financiar campanhas de 1.829 candidatos de 28 partidos, segundo Joesley Batista

O empresário Joesley Batista, proprietário da empresa J&F – holding que controla a JBS –, voltou ao Brasil no último domingo (11) e já prestou depoimento à Polícia Federal sobre as irregularidades investigadas pela Operação Bullish, que investiga a concessão de empréstimos por parte do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social).

Leia também: Ex-presidente da Petrobras, Aldemir Bendine, será investigado na Lava Jato

De acordo com informações publicadas nesta terça-feira (13) pelo jornal “ O Estado de S.Paulo ”, Joesley Batista estava na China após a divulgação dos áudios de conversas do empresário com o presidente Michel Temer (PMDB), nas quais o peemedebista teria avalizado o pagamento de propinas.

A assessoria do dono da J&F afirmou que, após o fechamento do acordo de delação premiada, o empresário não foi para Nova York, ao contrário do que havia sido divulgado. A nota enviada ao “ Estadão ” diz que a família de Joesley chegou a ser ameaçada após o vazamento dos áudios.

O empresário afirmou, também por meio de sua assessoria, que participou de reuniões em Brasília na última segunda-feira (12), mas não especificou o que foi tratado nessas ocasiões. O depoimento prestado por ele no âmbito da Operação Bullish não tem a ver com a delação que Joesley assinou com a PGR (Procuradoria-Geral da República) e que motivou a abertura de inquérito no STF (Supremo Tribunal Federal) contra Temer.

Propinas

Em um dos anexos de sua delação premiada, o empresário afirmou que pagou R$ 4,7 milhões em propina a Temer nas campanhas eleitorais de 2010 e 2012. O proprietário do grupo J&F relatou ter participado de pelo menos 20 encontros com o peemedebista.

Leia também: Jornalista Miriam Leitão diz ter sido ofendida por militantes do PT durante voo

O empresário PGR uma gravação na qual Temer endossa o pagamento de uma "mesada" para calar o ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB)  e o operador de propinas Lúcio Funaro, ambos presos. Ao saber desta informação, o presidente teria solicitado que a prática não parasse: "Tem que manter isso".

No depoimento aos procuradores, Joesley revelou que a ordem da mesada na cadeia não partiu de Temer, mas que o presidente tinha total conhecimento de toda a operação.

Outra informação que atinge diretamente o presidente é a de que Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR), homem de confiança de Temer e ex-assessor especial da Presidência, teria recebido R$ 500 mil de propina para cuidar de uma pendência da J&F, holding que controla a JBS. A pendência, no caso, seria a disputa entre a Petrobras e a J&F sobre o preço do gás fornecido pela estatal para a termelétrica EPE.

Leia também: Juiz Sérgio Moro aceita denúncia contra três ex-gerentes da Petrobras

Também foi divulgado áudio de conversa na qual o senador afastado Aécio Neves (PSDB-MG) negocia com Joesley Batista o pagamento de propina no valor de R$ 2 milhões.

0 Comentário(s)
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!
Edição impressa
imagem
os maiores eventos e coberturas
O que você acha que deve ser feito com os carrinhos de lanche em PVA?
Devem ser retirados das avenidas!
Devem permanecer onde estão!
Devem ficar todos na Praça de Eventos!
Devem ser realocados para as praças da cidade!