politica /

Quarta-feira, 14 de Junho de 2017, 16h:10

A | A | A

Eduardo Cunha depõe à PF em inquérito que investiga Temer

Defesa do ex-presidente da Câmara tentou adiar interrogatório alegando que não teve acesso ao conteúdo da investigação; suposto aval de Temer a plano de Joesley Batista para comprar o silêncio de Cunha é investigado


Imagem de Capa
Suposto aval de Temer à compra do silêncio de Eduardo Cunha é investigado em inquérito relatado por Fachin no STF
Antônio Cruz/Agência Brasil - 18.11.15
Suposto aval de Temer à compra do silêncio de Eduardo Cunha é investigado em inquérito relatado por Fachin no STF

O ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha (PMDB)  depõe nesta quarta-feira (14) na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba. A audiência começou às 11h e conta com a presença de um representante da Procuradoria-Geral da República (PGR).

O interrogatório de Eduardo Cunha  se dá no âmbito do inquérito que investiga o presidente Michel Temer, processo que tramita no Supremo Tribunal Federal (STF) e se baseia nas delações premiadas de executivos do grupo JBS. Um dos elementos que endossam as investigações é uma gravação de conversa entre o dono do grupo, Joesley Batista, e Michel Temer. No diálogo, registrado em março deste ano no Palácio do Jaburu, o empresário faz menção a pagamentos à família de Cunha e o presidente Temer responde com a emblemárica frase "tem que manter isso, viu?".

A defesa de Cunha pediu na noite dessa terça-feira (13) que o relator do inquérito no STF, ministro Edson Fachin, liberasse o acesso às investigações da JBS, inclusive a gravação de Batista, com antecedência mínima de 48 horas do depoimento à PF. Por isso, o documento enviado à Corte também pediu a readequação da pauta da audiência marcada para esta manhã.

Leia também: Primo de Aécio devolve R$ 1,5 milhão recebido do grupo JBS

Condenado a 15 anos e 4 meses de prisão no âmbito da Operação Lava Jato, Cunha está preso desde outubro do ano passado no Complexo Médico-Penal em Pinhais, na região metropolitana de Curitiba.

O presidente Temer nega as acusações da PGR. Em documento enviado ao STF na semana passada, a defesa de Michel Temer afirmou que ele é "coadjuvante de uma comédia bufa, encenada por um empresário e criminoso confesso e agora está sendo objeto de uma inquirição invasiva, arrogante, desprovida de respeito e do mínimo de civilidade". A defesa do peemedebista pede o arquivamento das investigações.

Delação

O ex-presidente da Câmara está pressionado pelas movimentações do doleiro Lúcio Funaro , que sinaliza ter a intenção de fechar um acordo de delação premiada. Uma vez que Funaro também é mencionado nas delações de executivos da JBS e é apontado como operador de propina nos esquemas que envolvem Eduardo Cunha, uma eventual delação premiada pode fazer com que os investigadores percam o interesse em fechar acordo também com o ex-deputado. 

Leia também: Joesley Batista volta para o Brasil e presta depoimento à Procuradoria

*Com informações da Agência Brasil

0 Comentário(s)
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!
Edição impressa
imagem
os maiores eventos e coberturas
Voce gostaria que a MT-130 até Paranatinga fosse privatizada?
Sim
Não
Tanto faz