LAR DA CRIANÇA /

Quarta-feira, 14 de Junho de 2017, 13h:29

A | A | A

Meninos de 10 e 11 anos são adotados por jovem e vão para o Rio de Janeiro

Os garotos foram adotados pelo professor de Português, Thiago Carneiro de Almeida, 35 anos.


Imagem de Capa
REPÓRTER MT

O Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT) por meio da 1ª Vara Especializada da Infância e Juventude de Cuiabá comemora no início deste mês de junho três adoções tardias: os menores Sidiwald Crystofher Rodrigues Santos, 11, José Roberto Nunes, 10, e o adolescente Luiz Felipe Ferreira, 14 anos. Todos eles estavam acolhidos no Lar da Criança localizado no bairro Bandeirantes, na Capital de Mato Grosso.

 

Emocionada a juíza da 1ª Vara Especializada da Infância e Juventude de Cuiabá, Gleide Bispo Santos, realizou no dia 9 deste mês, a audiência concentrada no Lar da Criança, que tem 17 acolhidos.

 

A maioria tem mais de 12 anos, e possui algum tipo de doença. Características de exclusão apontadas pelos pretendentes no Cadastro Nacional de Adoção (CNA).

 

Dos 39.924 pretendentes cadastrados apenas 5.065 (12.69%) aceitam crianças com doenças (HIV, deficiência física ou deficiência mental) contra 26.024 (65.19%), que somente aceitam crianças sem doenças.

 

“Estamos fechando o Lar, lá já chegamos a ter 200 crianças, mas estamos mudando para as Casas Lares com até 10 crianças somente. Hoje (9 de junho) até chorei. Conseguimos concretizar a adoção do Sidiwald e do Luiz Felipe, que tem um grau de autismo leve, a guarda provisória de José Roberto [seis meses]. É um dia muito feliz”, ressaltou a magistrada.

 

 

Ao lado da nova família, o professor de Português do Rio de Janeiro, Thiago Carneiro de Almeida, 35, comemorou as adoções de Sidiwald e José Roberto. O processo de habilitação no Rio de Janeiro levou dois anos, com uma vida financeira estabilizada no serviço público, o desejo e a necessidade de cuidar do outro, fomentaram o ingresso na lista de adoção.

 

 Thiago Almeida optou por adotar crianças com doenças e não fez preferência por bebês. O que facilitou todo trâmite processual e aumentou o número de possibilidades. No entanto, após receber uma ligação em um domingo, da juíza Gleide Bispo Santos, decidiu vencer o medo de viajar de avião e vir até Cuiabá conhecer Sidiwald, para o período de aproximação com o menor. Ficou hospedado no Lar da Criança, acompanhou toda rotina da instituição e conheceu José Roberto.

 

“Me lembrei de uma frase que ouvi no curso: a criança certa vai vir para família certa. Foi um período de muita luta, muita paciência. Sid não me tocava, me empurrava, era muito frio [...], mas quem tinha que amar era eu e não o Sid. Eu escolhi adotar. Todas as vezes que ele dizia não, repetia: eu sou seu pai, eu te amo. Você é meu, entre vários, eu te escolhi”, relatou o professor Thiago, que passou momentos difíceis, especialmente em dezembro de 2016, e os meses de janeiro e fevereiro deste ano.

 

A boa dose de paciência foi rompendo o medo da rejeição do menor, cortou o laço afetivo com o Lar da Criança, e já no final de fevereiro conquistou a verdadeira relação entre pai e filho. Aí perguntou a Sidiwald: você gostaria de ter um irmão? Ele respondeu: sim, o José Roberto.

 

“Então vou lutar pelo José”, respondeu o pai adotivo. Hoje, ele considera que a família está completa “Sidiwald é o filho desejado e amado, o primogênito. José Roberto, o sonhado”.

 

Jogar futebol, assistir filmes juntos e ir à praia são algumas programações que Sidiwald e José Roberto fizeram em frente à juíza antes de partirem para uma nova jornada. Uma viagem recheada de muitos desafios e alegrias, que vão inundar o contexto da família carioca.

 

0 Comentário(s)
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!
Edição impressa
imagem
os maiores eventos e coberturas
O que você acha que deve ser feito com os carrinhos de lanche em PVA?
Devem ser retirados das avenidas!
Devem permanecer onde estão!
Devem ficar todos na Praça de Eventos!
Devem ser realocados para as praças da cidade!