Esportes /

Quinta-feira, 14 de Março de 2019, 01h:40

A | A | A

Assassino confesso de Daniel recebeu oferta de R$ 70 mil para fugir da prisão

Novidade no caso Daniel. O assassino confesso do jogador Daniel Corrêa, Edison Brittes recebeu entre 35 e 40 bilhetes enquanto estava preso na Casa...


Imagem de Capa

Novidade no caso Daniel. O assassino confesso do jogador Daniel Corrêa, Edison Brittes recebeu entre 35 e 40 bilhetes enquanto estava preso na Casa de Custódia de São José dos Pinhais, região Metropolitana de Curitiba. Uma das mensagens sugeria uma fuga mediante pagamento de R$ 70 mil.

Leia também: Testemunha diz ter conversado com Daniel na suíte: "Ele queria usar o banheiro"

Caso Daniel: Edison Brittes, assassino confesso do jogador Daniel Corrêa
Reprodução/RPC
Caso Daniel: Edison Brittes, assassino confesso do jogador Daniel Corrêa

Em depoimento do próprio Brittes a inspetores do Conselho Disciplinar do Departamento Penitenciário (Depen) do Estado do Paraná, adquiridos pela emissora RPC, o principal suspeito do caso Daniel contou ainda que os bilhetes tratavam de pediso de ligações de celular, conforme consta no relatório do Conselho Comunitário.

No mesmo depoimento, Edison Brittes disse que não se responsabiliza pelo conteúdo dos bilhetes recebidos e que não tem intenção de fugir. Afirmou ainda que nunca foi flagrado com celular e nem com respostas aos bilhetes, que continham assuntos que poderiam comprometer a segurança do presídio.

"Não existe nenhum planejamento de fuga", disse o advogado de Brittes, Cláudio Dalledone, nesta quarta-feira. O recebimento dos bilhetes fez com que o criminoso fosse transferido , na última sexta-feira, para a Casa de Custódia de Curitiba.

Em um dos bilhetes, enviado por um preso identificado como Richard, era possível ler a sugestão de fuga para o assassino de Daniel mediante pagamento de R$ 70 mil. O detento chegou a dizer que, depois da fuga de Brittes, poderia fazer o resgate de Cristiana e Allan Brittes, esposa e filha de Edison, respectivamente, e que também estão detidas.

"Edison Brittes, hoje, é dono de uma mística no Departamento Penitenciário. Principalmente, de uma mística, de um mito de que ele tem dinheiro. O próprio apelido que deram a ele de Juninho Riqueza atrai esse tipo de situação. Esses bilhetes não foram lidos por ele, muito menos respondidos", ponderou o advogado.

A motivação do crime confessado por Edison Brittes contra a vida de Daniel teria sido porque ele encontrou o atleta deitado ao lado de sua esposa, no quarto do casal. Antes de ser agredido e morto, o próprio jogador mandou fotos para um amigo em que ele realmente aparecia deitado junto com Cristiana Brittes.

Edison, então, com a ajuda de outras pessoas, espancou o jogador e o levou para uma rua deserta, onde ali ele o decepou e o matou. Antes, Daniel havia participado da festa de 18 anos da filha de Edison, Allana Brittes.

Leia também: Caso Daniel: assista aos vídeos com os depoimentos das testemunhas do crime

No total, sete pessoas são acusadas de envolvimento pela morte do jogador - seis estão presas (Edison Brittes, Cristiana Brittes, Allana Brittes, Eduardo da Silva, Ygor King e David William da Silva). Já Evellyn Brisola Perusso responde no caso Daniel em liberdade.

0 Comentário(s)
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!
Edição impressa
imagem
os maiores eventos e coberturas
Você é a favor ou contra a revitalização das Avenidas de Primavera?
A favor.
Contra.
Não tenho opinião formada sobre o assunto.