Economia /

Sábado, 13 de Abril de 2019, 23h:44

A | A | A

Segurar preço do diesel será menos impactante que nova greve de caminhoneiros

Roberto Parizotti/Fotos Públicas Nova greve dos caminhoneiros prejudicaria mais do que suspensão do aumento no preço do diesel Apesar das perdas...


Imagem de Capa
caminhão em protesto
Roberto Parizotti/Fotos Públicas
Nova greve dos caminhoneiros prejudicaria mais do que suspensão do aumento no preço do diesel

Apesar das perdas bilionárias da Petrobras, a decisão do presidente Jair Bolsonaro de suspender o aumento do preço do diesel foi vista na equipe econômica como uma forma de evitar prejuízo maior.

Leia também:  Avianca realoca passageiros de seis voos cancelados neste sábado (13); entenda

Na avaliação de uma fonte do Ministério da Economia, o país não poderia correr o risco de passar por uma nova greve de caminhoneiros em um momento em que a economia patina, por isso a decisão de suspender o aumento no preço do diesel .

No ano passado, o PIB cresceu apenas 1,1%, frustrando as projeções que chegavam a 3% antes da paralisação. Só em um mês, as perdas na economia chegaram a R$ 15,9 bilhões. 

“Para nós, no ano passado, a greve foi o principal fator de jogar para baixo a perspectiva de crescimento. A economia está sem tração. A última coisa que poderia acontecer é uma greve do nível que aconteceu. Acredito que o presidente suspendeu para discutir”, afirmou esta fonte.

Ainda de acordo com esse integrante, a equipe ainda não se reuniu para discutir qual será a reação à crise que colocou o governo em um impasse: garantir a saúde financeira da Petrobras e, ao mesmo tempo, não causar atritos com os caminhoneiros.

Em viagem pelos EUA, o ministro da Economia, Paulo Guedes, ainda não se pronunciou sobre o episódio e sinalizou que não foi consultado por Bolsonaro sobre o assunto.

Leia também:  Com intervenção de Bolsonaro, Petrobras perde R$ 32 bi em valor de mercado

A estratégia vai ser discutida em reuniões na próxima semana. Uma das opções na mesa é a criação de um sistema para amortecer a oscilação de preços nas bombas, como o que deveria ser a Cide, que acabou sendo desvirtuada.

Nesse modelo, a tributação sobre os combustíveis aumentaria quando o petróleo estivesse mais caro e diminuiria, quando a cotação do óleo subisse. A medida, no entanto, precisaria ser incluída em uma reforma tributária ainda em elaboração. Além disso, dependeria do avanço da reforma da Previdência, já que presumiria uma renúncia de arrecadação.

Essa ideia chegou a ser proposta durante o governo de Michel Temer, mas não avançou. No governo de transição, a possibilidade também foi levantada pela equipe econômica em formação, quando se debatia o que substituiria o subsídio ao diesel que vigorou até dezembro.

Preço do diesel gera pressão no congresso

bomba de gasolina
MARCELO CAMARGO/AGÊNCIA BRASIL
Presidente vetou aumento do preço do diesel e foi parabenizado por caminhoneiros

Na Câmara, os deputados já se movimentam para pressionar Castello Branco em depoimento à Comissão de Minas e Energia.

Um convite ao executivo foi aprovado há dez dias para que ele falasse justamente sobre a política de preços da estatal. Havia a negociação para que ele fosse à Câmara em maio. Mas, diante da intervenção de Bolsonaro, pode haver uma antecipação e até mesmo uma convocação.

Leia também:  Caminhoneiros agradecem Bolsonaro por desistir do aumento no diesel

“Vamos dialogar (sobre o preço do diesel ) na segunda-feira, pois de fato achamos muito perigoso o acontecimento. Afinal, o governo federal tem assento no conselho e faz parte das decisões. Não foi bom, na nossa avaliação, para o presidente da República nem para Petrobras. É pior ainda para os acionistas”, disse Silas Câmara (PRB-AM), presidente da comissão.

0 Comentário(s)
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!
Edição impressa
imagem
os maiores eventos e coberturas
Você é a favor ou contra a revitalização das Avenidas de Primavera?
A favor.
Contra.
Não tenho opinião formada sobre o assunto.