economia /

Quarta-feira, 11 de Outubro de 2017, 22h:10

A | A | A

Operação identifica trabalho infantil em condições degradantes em Roraima

Grupo Especial de Combate ao Trabalho Infantil, do Ministério do Trabalho, encontrou 118 crianças e adolescentes atuando em condições adversas


Imagem de Capa

Brasil Econômico

Além do trabalho infantil exercido no lixão, grande parte das crianças morava no local ,sem qualquer proteção à saúde
Marcelo Casal Jr./Agência Brasil
Além do trabalho infantil exercido no lixão, grande parte das crianças morava no local ,sem qualquer proteção à saúde

Em uma operação realizada entre os dias 6 e 11 de outubro, o Grupo Especial de Combate ao Trabalho Infantil, do Ministério do Trabalho, encontrou 118 crianças e adolescentes atuando em atividades consideradas as piores formas de trabalho na cidade de Boa Vista, em Roraima. A classificação é baseada acordo com a Lista TIP, Lei nº 6481, que tipifica as atividades mais prejudiciais à saúde e à segurança das crianças.

Leia também: Golpe em site da Gol faz casal carioca perder Lua de Mel

Durante a operação de combate ao trabalho infantil , foram fiscalizadas feiras públicas, carvoarias e o Aterro Sanitário da cidade, onde foram encontradas 13 crianças trabalhando na coleta dos dejetos. “O lixão foi onde encontramos situações mais graves, com crianças trabalhando e muitas delas morando no meio do lixo, sujeitas a doenças e sem as mínimas condições de proteção à sua saúde”, afirmou Marinalva Dantas, coordenadora do Grupo Especial.

Por conta da gravidade da situação verificada no lixão, foi determinada a interdição do local. O Grupo Especial emitiu um pedido de providência imediata à Sanepav Ambiental, empresa responsável pela administração do lixão público.

Leia também: IGP-M apresenta alta de 0,32% no primeiro decêndio de outubro, diz Ibre

“Foram emitidos termos de afastamento imediato das crianças encontradas em situação de grave risco, além de 12 autos de infração relacionados às Normas de Segurança e Saúde. Assim que as crianças forem retiradas e todas as infrações corrigidas, o local estará liberado”, disse Magno Pillon Flora, auditor-fiscal do Trabalho, após reunião com a empresa.

Ao avaliar o local, os fiscais verificaram condição de risco grave e iminente à saúde e à integridade física dos trabalhadores, crianças e adolescentes nas atividades realizadas nos postos de trabalho de coleta, seleção e beneficiamento de lixo.

Leia também: Acordo entre Correios e entidades sindicais preserva benefícios aos funcionários

Na última etapa da operação de combate ao trabalho infantil, foi realizada a apresentação dos resultados finais à sociedade, numa reunião com autoridades locais. “Precisamos discutir políticas afirmativas para a retirada das crianças do trabalho. As situações que encontramos no lixão, nas feiras populares e nas ruas da capital não podem ser toleradas”, finalizou Marinalva Dantas.

0 Comentário(s)
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!
Edição impressa
imagem
os maiores eventos e coberturas
O que você acha que deve ser feito com os carrinhos de lanche em PVA?
Devem ser retirados das avenidas!
Devem permanecer onde estão!
Devem ficar todos na Praça de Eventos!
Devem ser realocados para as praças da cidade!