economia /

Terça-feira, 13 de Junho de 2017, 23h:00

A | A | A

Eike Batista é condenado a multa de R$ 21 mi por uso de informação privilegiada

Decisão foi tomada após a Comissão de Valores Mobiliários considerar que o empresário descumpriu Lei das Sociedades Anônimas e instrução do CVM


Imagem de Capa

Brasil Econômico

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) condenou nesta terça-feira (13) o empresário Eike Batista por uso de informação privilegiada (crime de insider trading ). O empresário deverá pagar multa em valor superior a R$ 21 milhões após a maioria do colegiado (dois votos conta um) considerar que houver descumprimento do Artigo 155 da Lei das Sociedades Anônimas (Lei nº 6.404/76) e o Artigo 13 da Instrução CVM 358.

Leia também: Governo anuncia leilão da Ferrovia Norte-Sul para fevereiro de 2018

O processo contra Eike Batista foi instaurado pela Superintendência de Relações com Empresas (SEP) para apurar um um possível uso de informações privilegiadas durante a negociação de ações de emissão da OSX Brasil em 19 de abril de 2013. De acordo com a decisão da CVM, Eike se beneficiou por ocupar a posição de controlador e presidente do conselho de administração da empresa.

Eike Batista vendeu mais de nove milhões de ações da OSX em 2013; negociação totalizou R$ 33,7 milhões
Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil - 19.8.2010
Eike Batista vendeu mais de nove milhões de ações da OSX em 2013; negociação totalizou R$ 33,7 milhões

Leia também: Travis Kalanick anunciou a saída da presidência do Uber; entenda

Na ocasião, o empresário vendeu 9.911.900 ações ordinárias da OSX ao valor médio de R$ 3,40 por ação, totalizando R$ 33,7 milhões. A superintendência apurou que Batista tinha, à época, conhecimento das alterações que ocorreriam no plano de negócios da OSX que só foram divulgadas ao mercado no dia 17 de maio de 2013.

A acusação concluiu que, ao negociar as ações da OSX antes da divulgação das mudanças na companhia, Eike estava de posse de informação privilegiada, "em assimetria de informação com o mercado". Com esta estratégia, teria evitado para si mesmo o prejuízo de R$ 10,5 milhões, já que a cotação da empresa na abertura do pregão após a divulgação do fato relevante ficou abaixo da cotação do momento da venda.

Leia também: Vendas no varejo voltam a crescer, com avanço de 1% no mês de abril, diz IBGE

O presidente da CVM, Leonardo Pereira, seguiu o voto do relator, Henrique Machado, pela condenação do empresário ao pagamento da multa. A decisão foi tomada em continuidade à sessão anterior, realizada em 25 de abril. Na ocasião, o diretor Pablo Renteria fez um pedido de vista e foi voto vencido no julgamento. O advogado de Eike Batista, Darwin Correa, deve recorrer da decisão.

* Com informações da Agência Brasil.

0 Comentário(s)
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!
Edição impressa
imagem
os maiores eventos e coberturas
O que você acha que deve ser feito com os carrinhos de lanche em PVA?
Devem ser retirados das avenidas!
Devem permanecer onde estão!
Devem ficar todos na Praça de Eventos!
Devem ser realocados para as praças da cidade!