economia /

Quarta-feira, 06 de Dezembro de 2017, 20h:10

A | A | A

Copom anuncia décimo corte consecutivo e Selic chega a 7% ao ano

Com anúncio da diretoria do Banco Central, a taxa básica de juros chegou ao menor patamar da história; índice chegou a bater 14,25% no ano passado


Imagem de Capa

Brasil Econômico

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central realizou nesta quarta-feira (6) um novo corte na Selic, a taxa básica de juros da economia. Em sua décima redução consecutiva, o índice chegou a 7% ao ano. No menor patamar em toda a série histórica, iniciada em 1986, a queda da Selic já era algo esperado pelo mercado, segundo instituições financeiras consultadas pelo Boletim Focus.

Leia também: Deficit na Previdência dos estados cresce e chega a R$ 81 bilhões em 2016

O nível mais próximo da taxa básica de juros atual foi registrado entre outubro de 2012 e abril de 2013, quando ela foi mantida em 7,25% ao ano. O índice passou a ser reajustado gradualmente até alcançar 14,25% ao ano em julho de 2015. O Copom só voltou a realizar cortes nos juros em outubro do ano passado. Em sua última reunião, a diretoria do BC decidiu reduzir a Selic em 0,75 ponto percentual, passando para de 8,25% ao ano para 7,5% ao ano.

A taxa overnight do Selic é o resultado da média ponderada pelo volume das operações compromissadas realizadas em um dia
iStock
A taxa overnight do Selic é o resultado da média ponderada pelo volume das operações compromissadas realizadas em um dia

Leia também: TST condena empresa a pagar R$ 350 mil por morte de policial durante assalto

O indicador é utilizado em negociações de títulos públicos do Sistema Especial de Liquidação e Custódia (Selic) e serve como referência para outras taxas de juros da economia. Ao elevar seu patamar, o BC segura o excesso de demanda que faz os preços aumentarem, pois juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança, ao mesmo tempo em que estabelecem uma espécie de barreira em relação a altas na inflação.

Por outro lado, quando o Banco Central reduz os juros, a tendência é baratear o crédito e incentivar a produção e o consumo. A estratégia, no entanto, enfraquece o controle sobre a inflação.

Leia também: Cesta básica fica mais barata em 17 capitais brasileiras em novembro, diz Dieese

Além da Selic, o mercado espera que a inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) terminará o ano em 3,03%, próximo ao piso da meta de 4,5% estabelecida pela equipe econômica do governo. A projeção oficial tem tolerância de 1,5 ponto percentual para mais ou menos. Para 2018, a expectativa é que a inflação fique um pouco menor, mas ainda abaixo do centro da meta, em 4,02%.

0 Comentário(s)
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!
Edição impressa
imagem
os maiores eventos e coberturas
O que você acha que deve ser feito com os carrinhos de lanche em PVA?
Devem ser retirados das avenidas!
Devem permanecer onde estão!
Devem ficar todos na Praça de Eventos!
Devem ser realocados para as praças da cidade!