Economia /

Sexta-feira, 26 de Abril de 2019, 12h:43

A | A | A

Após veto de Bolsonaro, ações de estatais precisarão de aprovação do Planalto

Reprodução Peças publicitárias de empresas estatais precisarão de aprovação da Secom após veto de Bolsonaro a comercial do BB Agências de...


Imagem de Capa
Propaganda do Banco do Brasil vetada por Bolsonaro
Reprodução
Peças publicitárias de empresas estatais precisarão de aprovação da Secom após veto de Bolsonaro a comercial do BB

Agências de publicidade contratadas pelo governo federal foram informadas que, a partir de agora, todas as peças deverão ser submetidas à avaliação da Secretaria de Comunicação Social (Secom), comandada pelo ministro da Secretaria de Governo, general Santos Cruz. Na última quinta-feira (25), o presidente Jair Bolsonaro (PSL) determinou que o Banco do Brasil (BB) retirasse de circulação uma campanha publicitária cujo mote era a diversidade.

Confira aqui a propaganda vetada por Bolsonaro

Até então, somente os comerciais institucionais, que visam reforçar uma determinada marca, costumavam passar pela Comunicação do Palácio do Planalto. A decisão de submeter a aprovação de ações à aprovação da Secom reforça o intervencionismo do governo na comunicação de estatais  e, consequentemente, legitimam o poder de veto a Bolsonaro.

A intervenção do presidente a ação gerou reação de representantes de minorias , que dizem acreditar que o veto revela "uma questão psicológica a ser estudada" no presidente e mostram "o quanto ele é equivocado".

Na propaganda do Banco do Brasil , jovens negros, tatuados, trans e de diferentes estilos aparecem em cenas do cotidiano, o que desagradou ao presidente da República. Todos os jovens que aparecem na ação sequer falam, apenas contracenam com a câmera. "É impossível entender a cabeça de um presidente que se incomoda com a liberdade alheia, com a diversidade. Há uma questão psicológica a ser estudada", defende o ativista gay Fernando Dantas, que trabalha em uma ONG que dá abrigo a homens e mulheres  transexuais em situação de vulnerabilidade.

Leia também: "Brasil não pode ser o país do turismo gay", defende Bolsonaro

O veto, no entanto, foi endossado pelo presidente do BB, Rubem Novaes, que disse ao colunista de O Globo , Lauro Jardim, que concorda. A crise levou à demissão do diretor de Comunicação e Marketing do BB, Delano Valentim. Segundo o presidente do Banco do Brasil , a saída do executivo não gerou mal estar. "A saída do diretor é uma decisão de consenso, inclusive com aceitação do próprio", disse o presidente do banco, que complementou que "O presidente Bolsonaro e eu concordamos que o filme deveria ser recolhido".

0 Comentário(s)
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!
Edição impressa
imagem
os maiores eventos e coberturas
Você é a favor ou contra a revitalização das Avenidas de Primavera?
A favor.
Contra.
Não tenho opinião formada sobre o assunto.