Agricultura /

Sábado, 13 de Abril de 2019, 02h:46

A | A | A

Hortas ganham espaço nas cidades e se tornam alternativa de acesso à comida saudável

Plantar e colher em varandas ou janelas de casa, no quintal ou no meio da cidade tem sido uma experiência transformadora em muitas comunidades. A...


Imagem de Capa

Plantar e colher em varandas ou janelas de casa, no quintal ou no meio da cidade tem sido uma experiência transformadora em muitas comunidades. A agricultura no meio urbano é uma iniciativa incentivada para aproveitar áreas públicas, produzir alimentos orgânicos e aproximar as pessoas da terra. 

As hortas urbanas despertam cada vez mais curiosidade e interesse. Entre os atrativos de cultivar o próprio alimento está o de saber a procedência e garantir a qualidade do produto que vai para sua mesa. “As pessoas estão preocupadas em conferir de perto aquilo que consomem, querem também participar da produção, do manejo. É uma tendência em crescimento, inclusive em pequenos espaços, incluindo apartamentos”, comenta a bióloga Lenita Haber, pesquisadora da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) Hortaliças.

E para quem não tem espaço no ambiente doméstico, as áreas públicas não ocupadas aparecem como solução para cultivar alimentos saudáveis, sem agroquímicos e mais baratos.

Trabalho comunitário

Em meio aos prédios do comércio e das casas, esconde-se um terreno com área verde, cheiro de ervas e o frescor das plantas. Ali, brotam pés de quiabo, couve, alface, cebolinha, tomate, cenoura, banana, mamão, um pouquinho de tudo. Os resultados são de um projeto comunitário do Guará II, uma das regiões administrativas do Distrito Federal, que há dois anos mantém uma pequena horta no meio da quadra residencial mais carente do bairro.

O projeto avançou com apoio da Administração Regional do Guará, que fornece adubo, entre outros tipos de ajuda. A Empresa de Assistência Técnica e Rural (Emater-DF) também contribui com sementes, ferramentas, além de serviços como capina e poda. A entidade também está desenvolvendo um projeto para aperfeiçoar o sistema de irrigação, garantida hoje por um poço. A proposta inicial era resgatar o uso de um terreno público abandonado, tomado por mato alto e improdutivo, e envolver a comunidade na produção de alimentos para as famílias mais necessitadas.

“A comunidade aqui é mais carente. Então, pensamos que a horta seria bem viável para garantir alimentos saudáveis ao pessoal da comunidade. A cesta que sai daqui, se fosse comprada no supermercado, custaria 40 reais, dependendo, até 100 reais, porque é tudo sem agrotóxico”, comenta Simone Vaz, profissional de recursos humanos e uma das coordenadoras voluntárias do projeto.

A colheita é feita a cada 15 dias em encontros realizados nas manhãs de sábado. Depois da oferta de um lanche comunitário, são colhidos verduras, legumes e frutas e distribuídos a quem precisa. Em média, cada encontro resulta na entrega de 25 a 30 cestas com diferentes produtos.

Nicodemos visita a horta do Guará II diariamente em seus momentos de folga do trabalho 

“Certa vez, uma senhora pediu: Deixa eu levar mais uma cesta, porque meu filho está preso. Minha filha, que ajuda na família está desempregada, literalmente, a gente precisa mais para não faltar nada em casa”, conta Dai Ribeiro, engenheira ambiental e coordenadora voluntária, para demonstrar a importância que a produção tem para o local.

Mão na massa

O projeto envolve cerca de 140 pessoas. Cada um contribui como pode, seja doando tempo, dinheiro ou material. “É um trabalho de formiguinha, cada um traz seu trabalho, seu conhecimento, alguns são formados, outros tem só a vivência. Nós temos várias pessoas idosas aqui têm os conhecimentos tradicionais”, completa Simone.

Um dos voluntários mais ativos é Nicodemos Manuel de Jesus, de 74 anos. “Isso aqui está passando da hora de colher”, diz ele ao passar pelos pés de alface maduros. Morador do Guará, Nicodemos visita a horta todos os dias depois do expediente como motorista. “Virou rotina. Quando não tem evento aqui e não chove, venho e irrigo. Eu não aguento ficar parado, fui criado trabalhando”.

Nicodemos sempre teve contato com chácaras, onde aprendeu a lidar com a terra e com as plantas. É ele quem dá algumas orientações para a manutenção da horta e aplica um produto biológico para controlar a incidência de pragas e doenças nas hortaliças.

“É tudo orgânico. A gente pega folha de fumo, pega aquela pimenta de macaco e coloca pra cozinhar com a calda de pimenta caseira, que arde muito. A gente cozinha, esfria, passa pelo funil para não entupir e bate nas pragas. Essa calda que eu faço mata até formiga, essa formiga “quenquém”, que ferroa e dá bolha. ”, explica Nicodemos.
Nicodemos também é expert em ervas medicinais. Ele destaca que na horta há 60 espécies de plantas com potencial curativo. Como a maioria das ervas são aromáticas, também servem de barreira natural para o avanço de insetos.

O envolvimento de Nicodemos com a horta levou seu netinho de dois anos e seis meses a criar gosto também pela horta. Ainda tão pequeno, Samuel anda com cuidado pelos canteiros e maneja com destreza a terra. “Ele vem aqui e não pode ver um tomate maduro que come”, brinca o avô.

Samuel de dois anos já descobriu o  gosto de mexer na terra e aproveitar os frutos que ela dá

Educação e terapia

Na horta há uma trilha para facilitar o acesso de cadeirantes e promover atividades que atraem pessoas interessadas em fazer novos amigos e reduzir o estresse do dia a dia.

O sucesso da horta é tamanho que rendeu, no ano passado, um prêmio concedido pela Secretaria de Meio Ambiente do Distrito Federal a iniciativas urbanas sustentáveis. Os recursos da premiação permitiram a construção de um centro de educação ambiental.

As crianças são um dos principais alvos do projeto. Alguns dos voluntários se dedicam à mobilização de alunos de escolas públicas para visitar o local. “Há crianças que acham que tudo vem do mercado, porque veem a alface só naquele saquinho”, comenta Simone. Além de aprender como os alimentos são plantados, quanto tempo levam para crescer e serem colhidos, as crianças são estimuladas a se sensibilizar pela proteção da natureza.

“Uma criança certa vez colheu cenoura, tirou do chão e gritou ‘pai, uma cenoura’, com muita surpresa. Ela não tinha descoberto antes que a cenoura vem da terra. A gente pergunta ‘de onde vem a água?’ E eles respondem ‘da torneira’. A criança não tem mais noção da captação no rio, que passa por um tratamento e que, só então, é disponibilizada na torneira”, observa Dai Ribeiro.

Floresta urbana

Promover a reconexão com a terra e produzir alimentos saudáveis também é um dos principais objetivos do projeto Reação, que mantém uma agrofloresta em uma quadra residencial da região central de Brasília, na Quadra 206, da Asa Norte, em Brasília.

Em uma área de aproximadamente 1 hectare, foram plantadas cerca de 35 espécies de árvores nativas, hortaliças, tubérculos e frutas como mamão, banana, acerola e abacate. No espaço, também é possível encontrar as chamadas Pancs, consideradas plantas alimentícias não tradicionais. Com aproximadamente 50 pessoas envolvidas, desde crianças até idosos, o grupo promove mutirões mensais para plantar, capinar e fazer a colheita.

“A gente quer trazer um pouco dessa realidade rural pra cá e se apropriar dos espaços públicos. E ter o contato das pessoas, esse reencontro com o alimento. Tem jovens que nunca viram um cacho de banana, só vêem a banana cortadinha, colocada no mercado”, comenta Renato Gontijo, estudante de sociologia e voluntário do projeto.
Inicialmente, a ideia era formar uma horta comunitária, mas a dificuldade de manter um manejo diário e a falta de uma fonte de água para irrigação levaram o grupo à decisão de formar uma pequena agrofloresta.

Em um hectare, foram plantadas cerca de 35 espécies de árvores nativas, hortaliças, tubérculos e frutas 

“Se fôssemos plantar alface, tomate, essas coisas mais sensíveis, teria que ter uma pessoa todo dia aqui, adubando, colhendo, regando. Aqui, são árvores de ciclo longo e de vida longa que depois que se estabelecem não precisam de tanto cuidado assim”, explica Pedro Brandão, cientista político e voluntário do projeto.

Assim como na experiência do Guará, o projeto Reação formou ao redor da agrofloresta um cinturão de plantas grandes, como os margaridões, para reduzir o avanço de insetos nocivos. Os jovens explicam que o controle de pragas é biológico e garantido pelas próprias espécies que interagem no ambiente.

O cuidado com a área atrai a atenção de pesquisadores, da mídia e de órgãos públicos. O projeto já foi premiado e agora se organiza para conseguir a certificação da política distrital de apoio à agricultura urbana, aprovada no ano passado em Brasília, com o objetivo de regulamentar a prática de cultivo na cidade.

“Essa é uma das coisas que queremos mais avançar agora. Temos que reunir cerca de oito documentos, um deles são das estruturas planejadas. Com a certificação, a gente conseguiria provavelmente acesso à luz, um ponto de água, tudo com certificado das companhias distribuidoras de energia e água do DF”, diz Pedro.
Chamada pública

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) está preparando chamada pública para incentivar o desenvolvimento de hortas urbanas comunitárias em municípios do semiárido nordestino. Os editais estão sendo elaborados e devem ser publicados até junho. Poderão participar novos projetos e aqueles que já estão em andamento.

“Estamos trabalhando com as hortas urbanas e periurbanas como uma ferramenta de inclusão positiva”, disse Avay Miranda, diretor do Departamento de Estruturação Produtiva da Secretaria de Agricultura Familiar e Cooperativismo do Mapa.

Segundo o diretor, o objetivo é estimular o aproveitamento dos espaços vazios da cidade para o cultivo de alimentos saudáveis e melhorar a segurança alimentar de comunidades carentes. Além de garantir também melhor destinação a materiais que iriam para o lixão e que podem ser aproveitados para organizar o plantio, Avay destaca que as hortas podem servir a fins didáticos, pedagógicos e terapêuticos. “Essas hortas urbanas têm essas virtudes. E é uma oportunidade muito grande para as pessoas aprenderem tanto sobre a produção, quanto sobre o trabalho comunitário e coletivo”, comenta.

Alface produzida na horta do Guará II, no Distrito Federal, que envolve 140 pessoas da comunidade

Incentivo

O diretor lembra que, atualmente, os agricultores urbanos podem ser elegíveis para emissão da Declaração de Aptidão (DAP) ao Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf). “Muitos deles podem acessar o crédito do Pronaf. Mas o banco não tem o costume de financiar, então, precisa uma norma legal colocando esse pessoal como agricultor para facilitar o empréstimo”, explicou Avay.

Mesmo sem acesso ao crédito, com a DAP, os projetos de hortas comunitárias podem comercializar o excedente da produção para escolas públicas ou entidades da rede de assistência social no âmbito dos programas nacionais de Alimentação Escolar (PNAE) e de Aquisição de Alimentos (PAA).

Política nacional

O diretor ressalta que, apesar dos benefícios, a prática de produzir alimentos orgânicos no meio urbano ainda não é reconhecida oficialmente como modalidade de agricultura. O departamento quer estimular o avanço das discussões do projeto de lei que tramita na Câmara (PL 906/2015) e que institui a Política Nacional de Agricultura Urbana.
Poucos municípios ou estados têm iniciativas de apoio à regulamentação do cultivo doméstico ou comunitário. A aprovação da política pode direcionar os programas locais e resolver gargalos como o fornecimento de água para manter as hortas.

“O importante é que, além de produzir alimentos excedentes, ainda geram renda para a população. Isso é muito interessante. É preciso que as prefeituras apoiem essas iniciativas e estabeleçam as regras de ocupação dos espaços públicos para que as hortas sigam em frente”, conclui Avay.

O departamento está preparado para conhecer projeto de hortas urbanas comunitárias que já estão implantadas no país. Quem estiver envolvido em alguma iniciativa pode enviar mensagem com informações sobre o projeto para o email: dapsaf@agricultura.gov.br

 (Fotos: Antonio Araujo/Mapa)

Mais informações à imprensa:
Coordenação-geral de Comunicação Social
Debora Brito
imprensa@agricultura.gov.br

0 Comentário(s)
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!
Edição impressa
imagem
os maiores eventos e coberturas
Você é a favor ou contra a revitalização das Avenidas de Primavera?
A favor.
Contra.
Não tenho opinião formada sobre o assunto.