Justiça /

Sexta-feira, 14 de Junho de 2019, 10h:55

A | A | A

BRF é condenada pela Justiça do Trabalho e terá que pagar multa e indenização milionária a ex-funcionários de Campo Verde

Na sentença, o juiz do Trabalho substituto Luiz Fernando Leite da Silva Filho, da Vara do Trabalho de Primavera do Leste, proibiu a empresa de realizar, em todo o território nacional, dispensas em massa sem prévia negociação coletiva


Imagem de Capa
Assessoria MPT-MT

A empresa BRF S.A., dona das marcas Sadia e Perdigão, foi condenada pela Justiça do Trabalho pela dispensa em massa ocorrida sem negociação prévia com o sindicato da categoria na unidade de Campo Verde. A ação é movida pelo Ministério Público do Trabalho (MPT) em Rondonópolis. Nos meses de julho e agosto de 2018, 91 empregados (75% dos trabalhadores da planta) foram demitidos repentinamente em decorrência de uma reestruturação econômica do grupo. Entre os funcionários dispensados, alguns estavam com mais 20 anos de empresa.

 

Na sentença, o juiz do Trabalho substituto Luiz Fernando Leite da Silva Filho, da Vara do Trabalho de Primavera do Leste, proibiu a empresa de realizar, em todo o território nacional, dispensas em massa sem prévia negociação coletiva com os sindicatos profissionais, sob pena de pagamento de multa no valor de R$ 30 mil por cada empregado que tenha o contrato extinto nessas circunstâncias. A multinacional também foi condenada a pagar aos trabalhadores atingidos o valor equivalente ao dobro do aviso prévio indenizado devido no momento da rescisão do contrato de trabalho.

 

A BRF deverá pagar, ainda, uma indenização por danos morais coletivos de R$ 300 mil. O montante será revertido a instituições públicas ou privadas, sem fins lucrativos, que tenham objetivos filantrópicos, culturais, educacionais, científicos, de assistência social ou de desenvolvimento e melhoria das condições de trabalho, a serem indicadas pelo MPT.

 

O objetivo da ação, segundo o MPT, não foi interferir na atividade empresarial, mas fazer valer os direitos fundamentais nas relações coletivas de trabalho, de modo a exigir amplo diálogo e a construção de uma solução intermediária para diminuir os impactos sociais e econômicos causados na vida dos trabalhadores e de suas famílias.

 

Na decisão, o magistrado salientou que ficou comprovada a irregularidade da dispensa coletiva, “tanto assim que, ao se manifestar no bojo do inquérito civil, a empresa Ré afirmou que não havia necessidade de negociação coletiva e que, no dia 13/06/2018, a entidade sindical foi apenas comunicada sobre o encerramento dos processos na unidade”.

 

O juiz observou que o fato de a empesa ter levantado a possibilidade de realocação dos empregados demitidos em unidades localizadas em outros municípios não afasta a abusividade na dispensa coletiva. O mesmo vale para o argumento utilizado pela BRF de que foram pagos benefícios adicionais aos prejudicados, com o intuito de amenizar os efeitos do desemprego em massa.

 

Segundo uma das testemunhas ouvidas, ao frigorífico pagou apenas o equivalente a dois tickets alimentação, no total de R$ 360. “(...) quantia irrisória incapaz de atenuar dignamente os efeitos do ato jurídico de resilição massiva”, disse o magistrado. “O que o ordenamento jurídico pátrio impõe é a necessidade de prévia negociação com a entidade sindical, negociação esta que não se realizou no caso em apreço”, complementou.

 

MPT e Justiça do Trabalho defenderam que a mera comunicação, seguida da dispensa de inúmeros empregados, viola a Constituição e normas internacionais de tratados ratificados pelo país. “(...) enquanto membro fundador da OIT, o Brasil tem o compromisso derivado de respeitar, promover e tornar realidade, de boa-fé, os princípios relativos aos direitos fundamentais inseridos na Declaração de Princípios e Direitos Fundamentais da OIT, entre eles aquele correspondente ao reconhecimento efetivo do direito de negociação coletiva”, asseverou Silva Filho na sentença.

 

Contra a sentença foram apresentados embargos de declaração pela BRF, ainda pendentes de julgamento pelo juiz de primeiro grau.

 

Reforma

 

Em sua defesa, a multinacional afirmou que a Reforma Trabalhista (Lei n. 13.467/17) teria, no artigo 477-A da CLT, estabelecido a igualdade jurídica entre as dispensas individuais e coletivas, de modo que não haveria necessidade de prévia negociação coletiva para as dispensas em massa.

 

No entanto, conforme ressaltou o MPT na petição inicial, apesar da flexibilização trazida pela Reforma Trabalhista, a negociação coletiva continua obrigatória, não podendo o empregador simplesmente se recusar a dialogar. Acrescentou que as decisões do Tribunal Superior do Trabalho (TST), inclusive as proferidas depois da Reforma Trabalhista, continuam confirmando a necessidade de negociação coletiva prévia à dispensa em massa.

 

Na decisão foi declarada a inconstitucionalidade da norma prevista no art. 477-A da CLT e mantida a tese jurídica fixada pelo TST.

 

“Isso porque, em virtude das graves consequências econômicas e sociais da dispensa em massa, com repercussões maléficas para toda uma coletividade de trabalhadores, e para diversos outros agentes da comunidade local, faz-se necessário o estabelecimento de condições voltadas a atenuar a situação jurídica dos prejudicados. Considerando a hipossuficiência dos trabalhadores individualmente considerados, torna-se essencial a participação da entidade sindical dos obreiros para a fixação de condições justas que realmente mitiguem os prejuízos da dispensa massiva”, concluiu o magistrado.

0 Comentário(s)
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

MAIS Campo Verde

PJC de CV vai participar da paralisação nacional

Policiais reivindicam a regulamentação de certos institutos no âmbito da Polícia Civil, como o sobreaviso, e o adicional noturno, além da Reforma da Previdência.

Oportunidade imperdível para quem alavancar seus negócios em Campo Verde

Workshop prático voltado para líderes vai ensinar como fazer sua empresa se diferenciar das concorrentes e conquistar o mercado.

MAIS LIDAS NO CLIQUE F5

MAIS LIDAS MATO GROSSO


Nome ou atividade:

Bairro ou logradouro:

Produto:

Buscar em:

Edição impressa
imagem
os maiores eventos e coberturas
26.06.2019 - 06h56
26.06.2019 - 06h54
26.06.2019 - 06h45
26.06.2019 - 06h45
26.06.2019 - 06h44
Você é a favor ou contra a revitalização das Avenidas de Primavera?
A favor.
Contra.
Não tenho opinião formada sobre o assunto.